X-MEN # 15

Por Rodrigo L. Monteiro
Data: 1 dezembro, 2001

X-Men #15Título: X-MEN # 15 (Editora Abril) – Revista mensal

Autores: Wolverine – Steve Skroce (texto e lápis), Lary Stucker (nanquim), Steve Buccelato (cores);
X-Force – John Francis Moore (texto), Anthony Williams (lápis), Mark Morales (nanquim), Marie Javins (cores);
Bishop – Joseph Harris (texto), Georges Jeanty (lápis), Art Thibert & Allen Martinez (nanquim), Jason Wrigth (cores);
X-Men: Anos Incríveis – John Byrne (texto e lápis), Tom Palmer (nanquim), Greg Wright (cores)

Preço: R$ 10,00

Data de lançamento: Outubro de 2001

Sinopse: Wolverine – De volta ao Japão, Wolverine acaba sendo levado a interferir numa guerra de poder, travada entre dois irmãos, pelo domínio de um clã criminoso. Quando sua protegida Amiko e a responsável por ela, Yukio, são seqüestradas por um deles, o baixinho se vê num beco sem saída, sendo praticamente obrigado a se meter nessa guerra fraterna. No entanto, o verdadeiro inimigo é justamente quem aparenta ser um de seus aliados…

X-Force – Alguns números atrás, quando a X-Force invadiu Genosha, Sam Guthrie confrontou fragmentos do seu passado, dos quais não mais se lembrava. Atormentado por eles, e querendo reunir os pedaços que faltam de suas lembranças, o mutante decide ir atrás da única pessoa que pode ajudá-lo. Infelizmente, trata-se de um criminoso condenado, cumprindo pena.

Bishop – Depois de usar Cérebro para obter a localização exata do Cronomante, Bishop continua sua cruzada em busca de aliados para detê-lo. Em sua jornada, ele e seus aliados acabam entrando em mais um conflito, desta vez com Tull, um gigante da mesma raça de Nom. Fitzroy, por sua vez, tem como “convidada” uma pessoa muito importante para Bishop, e poderá usá-la contra o mutante.

X-Men: Anos Incríveis – Ciclope, Garota-Marvel e Candy Southern ainda estão no encalço do paradeiro do Anjo, quando acabam se deparando com um inimigo além de suas capacidades. Em Illinois, Hank e o Professor X entram em conflito com uma espécie de Sentinela renegado e acabam “trombando” com uma mutante em fase de desenvolvimento, que talvez possa vir a ser uma das mais poderosas da espécie no futuro. Já a Terra Selvagem é o palco onde Magneto e um dos mais temíveis inimigos dos X-Men retornam, possivelmente, para trazer mais problemas aos mutantes…

Positivo/Negativo: Steve Skroce estréia em Wolverine trazendo novo fôlego para o nanico, depois da confusão em que se meteu nos últimos meses. A história não é nada excepcional, mas é recheada de muita ação, bem no estilo do personagem.

É interessante como Skroce retratou o confronto de poder entre os irmãos rivais pelo controle de seu império criminoso e, principalmente, a rebeldia adolescente de Amiko, revoltada por Logan nunca estar ao seu lado quando necessário. Esse, no entanto, acaba sendo um aspecto secundário da trama.

A X-Force continua com nível médio de qualidade. Numa história onde Sam é o personagem principal, ficamos sabendo de aspectos até então desconhecidos de seu passado, e que devem exercer alguma influência sobre ele futuramente.

O legal da trama das histórias de Bishop é que, desde o começo, ela foi fixada na luta do X-Man para destruir Trevor Fitzroy e libertar a realidade na qual se encontra do domínio de terror exercido por ele. Toda a estrutura gira ao redor disso e, apesar de não ser nada estupendo, acaba sendo mais interessante que muitos personagens, que vemos meio à deriva mês a mês. O jeito é torcer para que o cancelamento prematuro do título nos Estados Unidos não implique num final feito às pressas, algo típico nos quadrinhos atuais.

Sobre X-Men – Anos Incríveis há pouco o que se falar. Byrne continua mantendo o mesmo nível das histórias anteriores. No entanto, relendo a edição passada notei algo que deixei passar quando escrevi o review da mesma. Em uma das passagens da história, novamente, o autor comete um anacronismo ao fazer Jean mencionar Guerra Nas Estrelas, antes mesmo da série ter chegado às telas. É a segunda ou terceira vez que ele comete esse tipo de erro, que acaba comprometendo um pouco seu trabalho.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.