X-MEN # 79

Por Zé Oliboni
Data: 3 julho, 2009

Autores: Espécie em extinção – Mike Carey (roteiro) e Scot
Eaton (desenhos);

X-Men – Mike Carey (roteiro), Humberto Ramos e Chris Bachalo (desenhos);

Novos X-Men – Craig Kyle, Chris Yost (roteiro) e Skottie Young
(desenhos).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Julho de 2008

Sinopse: Espécie em extinção – Vários mutantes se reúnem
no funeral de um garoto, também mutante.

X-Men – Ciclope, Emma, Fera e Wolverine vão ajudar Vampira, que
está beirando a loucura após absorver todas as mentes do Hecatombe, mas
nem imaginam que estão prestes a enfrentar um ataque ao grupo. Enquanto
isso, Cable enfrenta Gambit e Solaris em Providência.

Novos X-Men – Belasco atacou os Novos X-Men em busca de Magia,
que havia retornado durante a Dinastia M. Enquanto o demônio tortura
os jovens mutantes que tiveram contado com Illyana Rasputin, mas não se
lembram disso, a garota aparece em outra parte da Mansão X e precisa da
alma de um inocente para conjurar uma arma forte o suficiente para enfrentar
Belasco.

Positivo/Negativo: Os X-Men têm um novo inimigo. Ele começou aos
poucos, mas agora está tomando mais terreno. Seu nome: Mike Carey. O roteirista,
com histórias confusas e enroladas, está no título principal dos mutantes
há meses e, até agora, só fez tramas como a desta edição.

Ele está pulando de uma viagem sem pé nem cabeça para outra e pegando
o leitor de surpresa não por armar uma boa trama, mas por fazer histórias
absurdas. Carey está mexendo, inclusive, com Cable, desmontando tudo que
foi construído no título do personagem, a ponto de a revista Cable
& Deadpool
, nos últimos meses, ter saído só com aventuras do Deadpool.

Somas-se ao roteiro confuso desenhistas como Humberto Ramos e Chris Bachalo,
cheios de estilizações e traços jogados para todos os lados. É uma arte
tão caótica que não se sabe para onde olhar nas páginas.

E é justamente para Mike Carey que a Marvel destinou o próximo
grande evento mutante, que se inicia nesta edição. Pela história de abertura,
ele vai envolver não apenas todas as equipes X, como todos os mutantes
ativos.

No geral, o primeiro número de Espécie em extinção é uma grande
enrolação. A edição inteira gira em torno do funeral do garoto. A ideia
é deixar claro que existem tão poucos mutantes, que cada um deles conta.
Mas se alguém duvida da falta de assunto para preencher a trama, basta
ver que as três últimas páginas mostram somente nuvens, sendo duas uma
dupla do céu.

Fechando a revista, o arco de Novos X-Men continua apresentando
uma versão esquisita da irmã de Colossus, que chega a parecer maligna.
De cara, Illyana quer que um dos alunos se sacrifique para que ela possa
criar uma espada espiritual.

Este não é um dos melhores arcos dos personagens, mas o desenho funciona
e a história, pelo menos, é divertida. Apesar de não ter grandes destaques,
é a única HQ que se salva no mix.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.