A conturbada vida dos personagens Disney no mundo real

Por Marcus Ramone
Data: 22 setembro, 2015

Todos sabem que os personagens Disney, nos gibis, costumam se envolver em confusões que fazem a alegria e a diversão de seus fãs. Mas, nos últimos anos, na vida real, a Família Pato e seus amigos têm frequentado os noticiários internacionais por motivos que nem de longe lembram a ingenuidade de suas aventuras nos quadrinhos e nos desenhos animados.

Relembre – ou conheça – alguns desses casos.

Até que os quadrinhos os separem

Um exemplar do primeiro número do gibi Kalle Anka & C:o., publicado em setembro de 1948 e estrelado pelo Pato Donald, virou alvo de disputa judicial entre uma mulher e seu ex-marido na cidade de Koeinge, na Suécia, em 2006.

Quando os dois se divorciaram, no começo da década passada, reivindicaram para si a posse da revista, que permaneceu exposta em um museu de arte mantido por um deles naquela cidade.

Em 2004, ao encerrar as atividades do museu, quem estava de posse do gibi resolveu vendê-lo a uma terceira pessoa. Assim, a outra parte se sentiu lesada e denunciou o “roubo” à polícia.

O gibi de 36 páginas ficou sob a guarda das autoridades locais, aguardando uma decisão da justiça.

Kalle Anka & C:o.

Assédio sexual

Em 2010, a norte-americana April Magolon, de 27 anos, moradora da Pensilvânia, entrou com uma ação na justiça contra a Disney, alegando ter sofrido assédio sexual do Pato Donald, ou melhor, de um funcionário do parque temático Epicot Center travestido do personagem.

Ela afirmava ter sido molestada sexualmente após pedir um autógrafo ao homem fantasiado, em maio de 2008.

De acordo com os termos da denúncia, divulgado em vários sites e jornais dos Estados Unidos, o assédio do Pato Donald teria deixado a mulher com “transtornos causados por estresse pós-traumático” que resultaram, dentre outros distúrbios físicos e psicológicos, em insônia, pesadelos e problemas digestivos.

A denunciante acusou a Disney de negligência e perturbação emocional, exigindo uma indenização no valor de 200 mil dólares. Um acordo entre as partes só aconteceu em 2011.

Pato Donald

Mas houve um caso de assédio sexual em que a vítima foi um personagem da Disney. Isso aconteceu em junho de 2007, quando, em visita com a família à Disneylândia, o norte-americano John Moyer, de 60 anos, teria apalpado os seios e as nádegas de Minnie.

A funcionária do parque, que se vestia como a namorada de Mickey Mouse, denunciou Moyer à justiça.

Segundo o portal de notícias G1, ele foi condenado a 180 dias de prisão condicional e 50 horas de serviços comunitários. E ainda pagou uma multa de mil dólares.

Testemunhas

Em 2006, Pato Donald, Margarida e Mickey Mouse foram intimados por uma corte judicial de Nápoles, na Itália, a comparecer a um tribunal. Eles deveriam testemunhar em um processo sobre pirataria.

A notícia, divulgada pelo jornal italiano Corriere della Sera, pode até parecer anedota, mas o fato é que, graças a um erro grosseiro de interpretação, a inusitada intimação foi expedida e entregue à Disney Itália.

O erro aconteceu quando, no julgamento de um acusado de usar ilegalmente imagens da Disney e da Warner Bros. (Piu-Piu foi um dos intimados) em brinquedos e outros produtos, os personagens foram incluídos como partes prejudicadas.

Quebrando o pau

No dia 14 de setembro de 2007, um jogo de futebol americano ganhou destaque internacional graças a uma disputa acirrada. Mas não entre os times que se enfrentaram em campo.

Durante a partida, o Pato Donald, mascote da equipe da Universidade de Oregon usada sob permissão da Disney, sentiu-se provocado pelo Puma do time da Universidade de Houston, que o imitou em uma de suas comemorações típicas.

Para a surpresa dos espectadores, Donald partiu para cima da mascote adversária, derrubou-a com socos e pontapés e ainda fez gestos obscenos diante do público.

Houve quem tentasse apartar a briga, mas o pato continuava a atacar o puma e, após consumar a “vitória”, saiu comemorando com a torcida.

A atitude antiesportiva rendeu punições para quem usava a fantasia do Pato Donald e a suspensão da mascote por um jogo.

O vídeo do inusitado combate está disponível no YouTube.

Donald lutando durante jogo

Também em 2007, na Disneylândia, depois de ser importunado por um garoto que visitava o local, um funcionário vestido de Pluto perdeu a calma e o perseguiu pelas ruas do parque temático.

Uma senhora, que parecia ser a mãe da criança, correu em seu socorro e atacou Pluto, derrubando-o no chão. A cena foi registrada pela câmera de outro visitante do parque temático.

O vídeo, divulgado pelo site Cartoon Brew, continua disponível no YouTube, já com com quase dois milhões de visualizações.

Greve geral

Parecia a revolta de Patópolis e dos reinos encantados de Walt Disney. Mickey Mouse, Cinderela, Peter Pan, Sininho e outros personagens fizeram protestos em frente à Disneylândia, em Los Angeles, Estados Unidos, no dia 14 de agosto de 2008.

Os manifestantes fantasiados eram funcionários dos três hotéis da companhia. Camareiros, cozinheiros, faxineiros e demais empregados do complexo hoteleiro reivindicavam melhoria de salário e nas condições de trabalho, além de plano de saúde e mais algumas condições referentes à sua situação trabalhista.

Segundo o site do jornal britânico Daily Mail, os funcionários estavam trabalhando sem contrato assinado desde janeiro daquele ano.

Houve confronto com a polícia e 32 manifestantes foram algemados e levados à delegacia. Dentre os “fichados” estavam Mickey e Branca de Neve.

O incidente pode ter estragado a imagem da Disney, mas fez a festa dos turistas presentes no local. Fotos divulgadas pela agência de notícias Associated Press correram o mundo, via internet.

Mickey foi preso?

Ninguém é de ninguém

Imagine uma orgia protagonizada pelas mais famosas criações de Walt Disney. Essa ideia, que chocaria qualquer fã da turma de Patópolis, foi realizada no polêmico vídeo intitulado Mouse Orgy, em 2006.

As cenas mostram funcionários da Disneylândia de Paris, devidamente vestidos de Mickey, Minnie, Pateta, Tico, Teco e outros personagens simulando um bacanal, no melhor estilo “ninguém é de ninguém”.

O que era para ser apenas uma brincadeira que ficaria restrita apenas entre os envolvidos, aparentemente foi filmada sem que percebessem e o vídeo acabou exibido no YouTube, de onde se espalhou pelo mundo (no Brasil, o Jornal Nacional chegou a noticiar o fato).

É claro que as imagens foram retiradas do ar o mais rápido possível, mas não o suficiente para evitar um belo estrago na imagem da Disney.

Orgia Disney

• Outros artigos escritos por

.

.

.