Resenha: Deadpool é o filme de super-heróis mais “porra-louca” até hoje

Por Samir Naliato
Data: 10 fevereiro, 2016

Deadpool é um caso curioso. Criado em 1991 por Rob Liefeld, um dos quadrinhistas mais polêmicos e criticados das últimas décadas, o personagem passou por significativas mudanças em seu status quo ao longo dos anos.

Inicialmente, ele era um vilão mercenário que enfrentou os Novos Mutantes e a X-Force. Esse falastrão e sarcástico antagonista tinha fator de cura, assim como o Wolverine, e era considerado uma cópia do Exterminador (DC Comics), inclusive no visual.

Mas, em 1997, houve uma reviravolta quando Deadpool ganhou uma revista própria, escrita por Joe Kelly. A transformação que vinha acontecendo para torná-lo em anti-herói se consolidou e, mais do que isso, o autor inseriu muito humor nas histórias. Com o tempo, esse tom cômico evoluiu e passou a parodiar outros personagens e situações do Universo Marvel.

Deu tão certo que, até hoje, Deadpool é o campeão de cosplays em qualquer evento ligado a quadrinhos em diversos lugares do mundo, especialmente Estados Unidos e Brasil.

DeadpoolDeadpool

A primeira tentativa de transpô-lo para os cinemas foi em X-Men Origens – Wolverine (2009), mas o filme falhou em retratá-lo com o seu já então conhecido jeito desbocado, exagerado e satírico. Pelo contrário: transformado no antagonista do ato final do longa, chegou a ter a boca costurada, e o tagarela não pôde falar uma palavra sequer enquanto enfrentava Logan.

Tudo mudou nos anos seguintes. Os fãs queriam um filme fiel aos quadrinhos, e a jornada malsucedida do ator Ryan Reynolds ao interpretar o Lanterna Verde acelerou os planos.

Em 2014, um vídeo de teste para o longa-metragem “vazou” na internet, mostrando aquilo que todos queria ver: a famosa roupa vermelha, muita ação e humor afiado.

Assim, a 20th Century Fox deu sinal verde para a produção de Deadpool, que agora estreia nas salas de cinema de todo o Brasil.

Wade Wilson é uma pessoa normal, que ganha a vida fazendo trabalhos questionáveis e passa as horas de folga no bar do amigo Weasel, onde enche a cara e faz apostas nas brigas que rolam por lá. Ele acaba conhecendo Vanessa Carlysle, por quem se apaixona. Mas a vida de amor e sexo, que parece interminável, sofre uma reviravolta quando Wade é diagnosticado com câncer terminal.

Sua única chance de sobreviver parece residir num experimento para ativar seus genes mutantes. Sua vida é salva, ele passa a ter agilidade fora do comum e a habilidade de se regenerar, mas os responsáveis pelo procedimento esqueceram de informar um pequeno detalhe: o corpo de Wade fica completamente deformado.

A partir daí, o personagem começa uma missão de vingança.

DeadpoolDeadpool

Deadpool é um filme de ação de muito, muito humor. O objetivo é fazer o público rir a todo momento, usando as ferramentas possíveis, principalmente violência, sexo e referências.

Desde a cena dos créditos iniciais, brincando com os clichês de filmes de super-heróis, até o final, tudo vira motivo para piadas. Tagarela, o personagem não para de falar e se vangloriar enquanto estoura os miolos de um bandido e o sangue jorra na tela, tudo acompanhado por danças para comemorar o feito.

Aproveitando o fato de estrear quando se comemora o dia dos namorados nos Estados Unidos, a história brinca inserindo momentos in love e músicas melosas para reforçar a discrepância de romantismo num filme tão maluco quanto este.

Além disso, há nudez, masturbação, sexo, mais sexo e, para terminar, um pouquinho mais de sexo. Entretanto, ao contrário do que alguns sites brasileiros chegaram a reportar, por causa da classificação indicativa de 16 anos, não há sexo explícito.

As passagens mais divertidas para os fãs de quadrinhos ou de filmes de super-heróis estão nas referências que são jogadas a todo momento. E não só de personagens dos X-Men ou da Marvel: duas piadas são com o Lanterna Verde, personagem da editora concorrente, que Reynolds interpretou em 2011, sendo muito criticado, e até a dupla dinâmica, Batman e Robin, é mencionada.

Deadpool

E a característica do personagem de quebrar a quarta parede e falar diretamente com o público e fazer menções a acontecimentos fora da realidade imaginária do filme estão presentes, e várias vezes.

Desde o fato de ter acontecido um reboot na cronologia dos filmes dos X-Men, inclusive citando atores das duas linhas temporais, até brincadeiras com o orçamento limitado de Deadpool em relação a outros longas-metragens mutantes da Fox, tudo é motivo para o personagem fazer piada.

O elenco está afiado, principalmente Ryan Reynolds e a brasileira Morena Baccarin. A participação do Colossus, com suas tentativas de dar jeito no Deadpool e fazê-lo se tornar um herói de verdade, para integrar os X-Men, apenas para se ver falhando a cada momento, é recorrente.

Narrativamente, o filme aposta em um forma não-linear para contar a história. Começa com a principal cena de ação, muito bem coreografada, e a partir daí alterna cenas de flashback para revelar os acontecimentos até aquele momento. Isso também faz com que o primeiro ato seja o mais empolgante , quando normalmente isso deveria ser no terceiro.

Deadpool

Parece que a Fox entendeu os erros cometidos em X-Men Origens – Wolverine, e desistiu de tentar mudar o personagem. Aceitou o risco de lançar uma produção com classificação etária restrita, um passo ousado para grandes estúdios de Hollywood. Tudo bem que, por causa disso, o orçamento foi mais moderado do que em outros filmes de heróis e custou US$ 58 milhões, contra costumeiros US$ 150 ou até mesmo US$ 200 milhões atuais.

Ainda assim, essa revisão de postura é bem-vinda.

E vale ainda mencionar a campanha de marketing, que também contou com menos investimento, mas explorou o lado debochado do personagem para fazer ações que se tornaram virais na internet.

Se a trama é simplória, o resultado final é aquilo que se esperava ver em um filme do Deadpool: uma diversão maluca de quase duas horas, com momentos que poucos achavam que um dia veriam em uma adaptação de super-heróis para os cinemas.

Deadpool
Duração: 108 minutos
Estúdio: 20th Century Fox
Direção: Tim Miller
Roteiro: Rhett Reese e Paul Wernick
Elenco: Ryan Reynolds, Morena Baccarin, Ed Skrein, Jed Rees, Gina Carano, Stefan Kapicic, Brianna Hildebrand, T.J. Miller, Leslie Uggams, Karan Soni.

• Outros artigos escritos por

.

  • Homem Simpson

    “uma diversão maluca de quase duas horas, com momentos que poucos” (sic).

    Estou vendo que a ressaca está comendo solta na redação, hein?

    • Luís Azevedo

      hahahahaha!

    • Ressaca? RESSACA? Pensei que o Carnaval só acabasse no próximo domingo!! Ressacas só na segunda-feira! ;)

      • Homem Simpson

        Carnaval dura até domingo, sim (principalmente se você for baiano), mas, como deu para ver, muita gente já começa a virar CINZA a partir de hoje, né? ;)

      • Carlos Silva

        a nudez desse filme mostra peitos? bunda? ou mais ainda?

        a pergunta é pra ver se posso levar alguem

        • Samir Naliato

          Mostra sim.

  • Dyel Dimmestri

    Parece Legal! Só o conheço o Deadpool de relançe,mas parece que este filme é perfeito para apresentá-lo ao grande público!!

  • Daniel Machado

    Não curto o personagem nos quadrinhos, acho muito bobo, mas verei o filme por conta das tantas críticas positivas que estou lendo.

    • RenanSP

      Eu li uma vol do Deadpool, não gostei, achei forçado e sem graça. Mas o filme eu curti, talvez o filme é melhor q o próprio quadrinho.

  • Jaime Soares

    Também acho o personagem bobo… Meu medo é ir pro cinema e querer sair no meio do filme. Mas fiquei curioso. Talvez assista em casa, quando disponível

  • O filme é excelente, mas dizer que não há sexo explícito? Existe todo tipo de nudez no filme, a classificação ter sido 16 anos foi uma surpresa…

    • Samir Naliato

      Não há sexo explícito. Nudez e sexo explícito são duas coisas diferentes.

  • Geloseco

    Ótimo filme. Despretensioso.
    O personagem é um boboca total. E isso é ótimo. Longe de ser um épico. Quem só curte uma pegada mais “séria e realista” para filmes de super heróis deve passar longe. Mas se não se importar com uma versão light e doidona, sem nenhuma pretensão, é uma diversão e tanto.
    Guardadas as devidas proporções, e muitas diferenças, é similar ao seriado televisivo do Batman da década de sessenta. Tosqueira (no bom sentido) pura. Sai feliz, leve, do cinema…
    :)
    Ticticaaaaaa
    Ou algo assim…
    😃

  • Cassiano Cordeiro Alves

    Nas hqs, conheço apenas as aparições iniciais do personagem, na X-Force do mestre, e não curtia muito ele. Mas gostei do filme.