Resenha: Logan é um bom final para o Wolverine de Hugh Jackman

Por Sérgio Codespoti
Data: 7 março, 2017
Aviso aos leitores: este artigo aborda detalhes e aspectos do filme Logan que podem
prejudicar o prazer de sua visita aos cinemas.

 

O personagem Wolverine fez sua estreia cinematográfica em 2000, no filme X-Men, interpretado por Hugh Jackman. Logan é a última participação do ator na franquia dos X-Men. Foram nove atuações num período de 17 anos.

O enredo de Logan foi livremente adaptado da HQ Velho Logan (Old Man Logan, leia review da história aqui), um arco escrito por Mark Millar e ilustrado por Steve McNiven, publicado na revista Wolverine, da Marvel Comics, em Wolverine # 66 a # 72 e Wolverine Giant-Size Old Man Logan, publicados entre junho de 2008 e setembro de 2009.

A história se passa num futuro alternativo no qual a maioria dos X-Men – e dos super-heróis – está morta e os Estados Unidos estão sob o comando de vilões como o Abominável, Caveira Vermelha, Magneto, Doutor Destino e Rei do Crime. Além disso, existe uma gangue de Hulks à solta.

No cinema, a ação se passa em 2029. A população de mutantes foi praticamente exterminada e poucos são os sobreviventes. Logan (Hugh Jackman) está velho e morrendo lentamente. Ele não se recupera com facilidade de seus ferimentos e nem mesmo suas garras são usadas com facilidade.

LoganLogan

Logan ganha a vida como um motorista de limusine. Nas horas vagas, visita Charles Xavier (Patrick Stewart), que está doente, sofrendo de uma doença mental degenerativa, e vive escondido sob os cuidados do mutante Caliban (Stephen Merchant, de The Office). Vale lembrar que, em X-Men – Apocalipse, Caliban foi interpretado por Tómas Lemarquis e é um personagem bem diferente do apresentado em Logan.

A rotina será quebrada quando Gabriela (Elizabeth Rodriguez, de Orange is the New Black e Fear of the Walking Dead) reconhece Logan como o herói Wolverine, dos X-Men, e tenta convencê-lo a ajudá-la a salvar sua “filha” Laura (Daphne Keen). Ambas estão sendo perseguidas por Donald Pierce (Boyd Holbrook, de Garota Exemplar, Caçada Mortal e Narcos) e os Carniceiros (Reavers, no original), que trabalham para a corporação Alkali.

O longa-metragem Logan é um bom entretenimento, que finalmente oferece aos fãs do personagem um vislumbre do que poderia ter sido sua “carreira” no cinema. Não é uma obra magnífica e revolucionária, mas é um bom filme, com vários momentos acima da média das películas de super-heróis. Quem queria ver o lado mais selvagem do mutante não ficará desapontado.

O diretor James Mangold eliminou a maior parte dos elementos “coloridos” da história como, por exemplo, os uniformes dos heróis ou vilões. Essa é uma das razões pelas quais a cena final de X-Men – Apocalipse – a referência ao projeto Arma X e Nathaniel Essex, o Senhor Sinistro – ficou perdida.

LoganLogan

A premissa inicial deveria mostrar Sinistro como o vilão responsável pelos eventos de Logan, mas, com o rumo decidido por Mangold, o personagem foi substituído pelo Dr. Zander Rice (Richard E. Grant, de Dr. Who e Downton Abbey), uma vez que um inimigo uniformizado como Sinistro destoaria.

Tanto nos quadrinhos, como no cinema, o Dr. Rice é filho de um cientista que trabalhou no projeto Arma X original, responsável pelos ossos de adamantium de Wolverine, e pela criação de Laura, a menina que é conhecida como X-23.

Daphne Keen, que interpreta Laura, é a filha do ator Will Keen e tem no seu currículo a série hispano-britânica The Refugees. Ela e Logan são as peças centrais da película. Na verdade, a garota não é “filha” de Gabriela e tem uma relação genética com Logan.

Para quem não conhece muito o Wolverine, Logan é o nome que ele adotou quando não se recordava de seu passado. É dessa forma que todos se referem ao mutante, embora seu nome verdadeiro seja James Howlett.

Mangold usou o filme Shane, de George Stevens, de 1953, estrelado por Alan Ladd e Jack Palance como referência e metáfora para mostrar o ponto de vista de Logan e sua relação com Laura. É uma decisão curiosa, pois, apesar de Shane ser considerado um grande clássico dos faroestes, é uma obra feita há 64 anos e poucos espectadores vão reconhecer o longa pelas cenas exibidas com Ladd e Palance.

Cena de Logan

Para quem não conhece Shane, é possível comprar o filme em DVD e Blu-ray, o livro no qual o filme se baseia, escrito por Jack Shaefer, e até um livro sobre a obra escrito pelo crítico de cinema Paulo Perdigão (Shane, editora Rocco, 2002).

Essa referência reafirma a impressão de que Logan é um faroeste disfarçado. A paisagem, com fotografia no Mississipi e no Novo México, também é significativa.

Outra curiosidade – e uma das surpresas de Logan – é a aparição de X-24, personagem que não existe nos quadrinhos.

Nas HQs, Logan teve vários impostores, clones, cópias e sósias, dentre eles o robô Albert (sempre acompanhado pela garotinha androide Elsie-Dee), criado por Donald Pierce. O X-24 do cinema é uma cópia genética.

O combate entre Logan, o Wolverine velho, e X-24, seu sósia jovem é brutal e até surpreende em alguns momentos, mesmo que o desfecho seja previsível para muitos.

Apesar das várias qualidades, Logan não consegue superar alguns dos problemas básicos e formulaicos do gênero dos super-heróis, mas isso não diminui a diversão. E, apesar de Jackman nunca ter usado o uniforme clássico do Wolverine nos cinemas, ele certamente definiu o personagem na telona e conseguiu encerrar sua história com o mutante num ponto alto.

Logan
Duração: 137 minutos
Estúdios: 20th Century Fox
Direção: James Mangold
Roteiro: Scott Frank, James Mangold, Michael Green
Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Dafne Keen, Boyd Holbrook, Stephen Merchant, Elizabeth Rodriguez, Richard E. Grant, Eriq La Salle e Elise Neal.

Cena de Logan

Cena de Logan

• Outros artigos escritos por

.

  • Dênis Pimenta

    Ainda não conseguiram me convencer de que LOGAN não é uma obra prima.

    • codespoti

      Não é essa a proposta. Eu achei o filme divertido. Bacana que vc também curtiu o filme.
      Acho que faz parte do meu trabalho crítico analisar as coisas por outros ângulos, muitas vezes dentro de um contexto maior que o filme específico, apontar erros e acertos, etc.

      • Dênis Pimenta

        E respeito que experimente ver o filme sem o efeito do hype.

  • Matheus Nahkur

    Codespoti, o X-24 me pareceu claramente uma “homenagem” a esta fase: http://covers.cbrd.info/55b631a083678b1748313493a183a42b_l.jpg Com direito a perder o olho e tudo! =D

    • codespoti

      Por isso que eu mencionei o albert e a Elsie-Dee

      • Matheus Nahkur

        Já tinha esse parágrafo assim que publicou? Se sim, pulei. : O

        • codespoti

          Estava lá… rs.

  • sergio reis

    Eu ainda verei um filme com DNA mutante!nada de obra-prima,ou metáfora….apenas o(s) personagens sendo ele mesmo(s)!imaginem então Batman de jaqueta de couro ao invés de uniforme!ou super sem capa….no fim saí no meio da sessão!violência desenfreada…gratuita até!desisti depois de 40 minutos de mutilações,decepações,explosão de tão injustificada violência!no fim filmes assim fecham um ciclo vicioso de uma sociedade que passou a tratar violência nesse grau como algo próximo a entretenimento!o dia a dia massifica,a tv espetaculariza,e o entretenimento estetifica!

    • Vipo Free

      Em pelo menos metade das hqs quando o wolverine não esta com algum grupo(x-men, vingadores, x-factor e etc) ele esta sem uniforme e com roupas civis, e o personagem é sim violento(leu arma x, x-factor ou wolverine: origens?).
      Você realmente esta criticando o filme por ser fiel ao personagem?

    • Homem Simpson

      Sou fã de sua música, mas sua crítica é totalmente despropositada.

  • Paulo Silva

    Ainda bem que já tinha assistido, ficaria bravo em saber a existência do X-24

    • Antes de começar o texto tem um aviso que alguns spoilers podiam aparecer! ;)

  • Douglas Coelho

    O filme é bom, o review tá muito bom. É curioso esse lance de adaptação, a gente assiste um filme como O Iluminado e classifica como obra prima, já o fã do King vê problemas de adaptação. É uma discussão sem fim, sobre diferentes pontos de vista.

    • codespoti

      Valeu. Adaptação é sempre um problema. Só que não dá pra esquecer quantos livros adaptados viram filmes magnificos que se sustentam como obras independentes do material original. São obras que exploram o potencial do cinema. Muitaz vezes acho que as adaptações de quadrinhos tentando ser fiés – ou até simplesmente boas adaptações – esquecem de que tem que ser bom cinema. Acho que uma coisa que vai além de roteiro e atuação. Fotografia, movimentos de câmera, uso da trilha sonora, edição… narrativa de cinema.

  • codespoti

    O filme tem estrutura de faroeste , ficou bacana dentro do filme. Mas embora goste disso, acho que é uma “muleta”, um truque. Acho que ainda tem muito estúdio e diretor com medo de abraçar os super-heróis como eles são. Não sabem como fazê-lo. Veja o caso do Justiceiro. Três filmes ruins. Só melhorou na adaptação da Netflix. O mesmo aconteceu com Jonah hex. Tanto faroeste bacana e não conseguiram faezr um faroeste do Jonah Hex. E olha que Justiceiro e Jonah Hex deveriam ser relativamente fáceis de se adaptar: um é uma história policial na linha Desejo de Matar e o outro é uma espécie de Imperdoáveis.

  • Mateus Silva

    Nooosaaa!! Essa imagem dele correndo com a garota no colo é de arrepiar!!!!!!

    • Delcino José Serra dos Santos

      Essa imagem é de Barry Windsor-Smith, de um confronto de Wolverine contra Lady Lethal, boa história bem ilustrada.

  • Homem Simpson

    Aguardando a Panini se ligar e relançar o encadernado de “Old Man Logan”.

  • Eu assisti ontem (domingo) e achei um filme bem da hora, mas que deixa a gente pra baixo. Sai do cinema meio depre, ainda mais sendo um domingo final de dia que por si só sempre é depre. Devia ter ido assistir numa sexta-feira.

    • Joaomarcos Manzato

      verdade achei q ia sair mó feliz de la,ao contrario,sai muito triste kkk,mas recomendo o filme,adorei

  • Homem Simpson

    Para uma editora que se deu ao trabalho de lançar um encadernado em capa dura do Capitão Marvel Skrull, lançar “Old Man Logan” é bônus. Pena que parece que os editores são bons em deixarem passar oportunidades de ganhar uns trocados a mais…