Darkside Books anuncia O Corvo e Black Dog em plena sexta-feira 13

Por Samir Naliato
Data: 13 abril, 2018

Para muitas pessoas, sexta-feira 13 é um dia de azar. Mas a Darkside Books pensa diferente e usou a data para anunciar mais novidades de sua linha de quadrinhos.

A editora também iniciou hoje, em parceria com a Amazon Brasil, uma promoção especial: a cada quatro livros comprados, o mais barato dentre eles será grátis. Clique aqui para acessar.

A oferta é válida até o próximo dia 15 de abril, para todo o catálogo da Darkside, incluindo os lançamentos e pré-vendas. Até mesmo os títulos anunciados no início desta semana e os de hoje.

Veja os detalhes:

Black Dog – Os sonhos de Paul Nash (formato 23 x 30 cm, 120 páginas, capa dura, R$ 59,90), de Dave McKean. Conhecido por sua longa parceria criativa com Neil Gaiman (Mr. Punch, Violent Cases), ele ilustrou todas as capas de Sandman. E seu talento poderá ser conferido mais uma vez nesta graphic novel biográfica que narra a história real do pintor surrealista inglês que lutou nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial.

Esse foi período delicado e determinante na vida do pintor, que iria marcar profundamente sua produção artística posterior, e compõe, por meio das lembranças de Nash, um painel multifacetado e tocante sobre como a guerra e situações extremas nos modificam e como lidamos com toda a dor, a perda e o trauma que ela provoca.

A obra nasceu a partir de um convite do 14-18 Now, comitê que selecionou artistas extraordinários de diferentes áreas para criarem trabalhos inspirados no centenário da guerra. “Quando me deparo com sua obra, me sinto como se estivesse assistindo a um sonho”, declarou McKean sobre Paul Nash. O pintor que sobreviveu aos horrores do conflito também é uma referência artística importante em O Colecionador (John Fowles), outro lançamento recente da DarkSide Books.

Lançamento programado para o próximo mês de maio.

.

Black Dog - Os sonhos de Paul Nash

 

O Corvo – Edição definitiva (formato 17,6 cm, 26,6 cm, 272 páginas, capa dura, R$ 59,90), de James O’Barr, reúne a história completa do autor. Apresenta ainda 30 páginas de artes inéditas e uma sequência que o quadrinhista só se sentiu à vontade para produzir recentemente.

A morte nem sempre é o fim. Em comemoração aos 30 anos de sua primeira aparição, na revista DeadWorld, o Corvo retoma sua trilha de sangue e vingança. O personagem cult atravessou as fronteiras dos quadrinhos independentes e foi imortalizado no último filme de Brandon Lee. Os becos sombrios dos anos 1980 estão de volta para acompanhar a história de Eric Draven, misto de anjo vingador e anti-herói, que não descansará enquanto os assassinos de sua amada Shelley continuarem vivos.

O Corvo foi concebido pelo autor para conseguir superar a dor de perder sua noiva, atropelada por um motorista embriagado. A tragédia se aproximaria novamente do universo do personagem em 1993, com a morte do ator Brandon Lee, filho do mestre Bruce Lee, no set de filmagens da adaptação cinematográfica.

Lançamento programado para o próximo mês de junho.

.

O Corvo - Edição definitiva

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Gabriel

    Esse Black Dog parece sensacional!!

  • Gabriel Viana Nagamini

    Interessante terem anunciado “O Corvo” durante a tão famigerada “data maldita”, já que a produção da adaptação cinematográfica estava cercada de acidentes e acontecimentos esquisitos, incluindo a citada e tão infeliz morte do filho de Bruce Lee…

  • Thiago A.

    Os trabalhos do Dave McKean sempre merecem ser conferidos. Tenho sinal e ruído dele com o Gaiman e é espetacular, assim como asilo arkham dele com o Morrison.

  • FINASTERIDO

    Sinceramente, para mim, este é um caso em que o filme é melhor do que o livro. Estou falando de O CORVO. O clima, a atmosfera, a trilha sonora, a interpretação de Brandon Lee, a cenografia… tudo funciona no filme. Na época, vi no cinema, e recentemente comprei um bluray. E o que constatei é que mesmo distante no tempo, o filme mantêm seus elementos essenciais intactos. Já a Hq não teve impacto nem parecido. É interessante pelo trabalho gráfico, por ser em preto e branco etc. Mas nada relevante.

    • El Django

      Concordo com você. O filme é melhor do que a obra original em quadrinhos. A revista puxa mais pro Punk Gótico até. Mas foi o filme que sedimentou toda a atmosfera cult e sombria pela qual o universo do personagem ficou conhecido.