Glénat lançará adaptações inéditas de Conan

Por Sérgio Codespoti
Data: 15 janeiro, 2018

A editora francesa Glénat lançará, em maio, a primeira de suas adaptações de Conan, baseado nas histórias originais de Robert E. Howard.

Conan le Cimmérien – Le Colosse Noir, é um álbum de 68 páginas, formato 32 cm x 24 cm, com texto de Vincent Brugeas e arte de Ronan Toulhoat. Esse volume também estará disponível numa edição especial em preto e branco, formato 28 cm x 37 cm.

Os contos de Howard, publicados em 1932 caíram em domínio público. Entretanto, a Glénat teve que fazer um acordo com a Conan Properties para poder usar o nome “Conan”.

Em seguida será publicado Conan le Cimmérien – La reine de la côte noire, com enredo de Jean-David Morvan, arte de Pierre Alary e cores de Sedyas.

No total serão lançados 12 volumes, cada um deles com uma equipe artística diferente. Outros autores que participarão dessa série incluem: Anthony Jean e Matthieu Gabella, Recht, Montaigne, Virginie Augustin, Didier Cassegrain, Olivier Vatine, Hautièr, Luc Brunschwig e Ètienne Leroux.

Esse material não tem relação com o acordo entre a Conan Properties e a Marvel, anunciado semana passada.

.

Conan le Cimmérien - Le Colosse Noir

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Wilson Pereira Jr.

    Que coisa maravilhosa. Cada mais difícil comprar importados, por causa do câmbio e do frete: o frete de um livro do amazon francês custa quase 15 euros.

    • A Mythos deverá publicar aqui ainda esse ano, segundo o editor respondeu no Facebook.

    • codespoti

      Sim, é caro. Mas eu acho caro memso aqui na Europa. O preço médio de um álbum tem subido muito (na minha opinião).

  • Leonardo Silveira

    A arte está muito boa, mas é difícil tirar da cabeça o “cânone artístico” estabelecido pelo John Buscema.

  • Negan

    Legal ,vai ser interessante ter uma visão europeia das histórias do conan.

  • Marcello S. Nicola

    Tem alguém publicando material da Glenat no Brasil?

    • Pedro Bouça

      A Mythos!

  • Marquito Maia

    A arte lembra o estilo do Carlos Ezquerra! E, depois de Frank Frazetta e John Buscema (e Barry Windsor-Smith, claro) fica difícil engolir essa versão “Thorgal” do cimério (que já é uma cópia do próprio).
    Enfim, pra quem gosta…

  • ARQUEIRO VESGO

    Pra quem já viu John Buscema, essa arte aí é uma caca.