Luzes de Niterói é o novo romance gráfico de Marcello Quintanilha

Por Marcelo Naranjo
Data: 21 fevereiro, 2019

Luzes de Niterói (formato 17 x 24 cm, 232 páginas, capa dura, R$ 109,90), do quadrinhista Marcello Quintanilha (Talco de Vidro, Tungstênio), chega às livrarias brasileiras no próximo dia 27 de fevereiro.

Inicialmente, a editora Veneta criou uma campanha de financiamento coletivo da obra no Catarse. Agora, começa a distribuição para livrarias e lojas especializadas.

Ela já está disponível na pré-venda da Amazon.

O livro já foi lançado na França. Nesta obra, o artista volta à cidade onde nasceu e cresceu, Niterói/RJ, e apresenta uma trama baseada em fatos que ocorreram nos anos 1950: uma aventura que envolve pescadores, futebol, a vedete Luz del Fuego e o primeiro campo naturista do Brasil.

A história narra as aventuras do jovem Hélcio, inconsequente e promissor “beque” direito, e seu amigo Noel, portador de uma severa deformidade física. É inspirada em passagens da vida do pai de Quintanilha, que foi jogador do time de futebol Manufatora Atlético Clube, emblemática equipe operária do bairro Barreto, em Niterói.

O evento de lançamento em São Paulo, com a presença do autor, será no dia 27 de março, na loja Monstra (Praça Benedito Calixto, 158, 1º andar).

Luzes de Niterói

 

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Juba

    Bonsoir, pourriez-vous me voir un exemplaire de cette Romance Gráfico voluptueuse?

  • Capivara_Man

    Romance gráfico? Isso aí é gibi cara! Gibi!

  • mvpunisher1 .

    Essa sinopse ta fraca hein…

  • Só como curiosidade mesmo, romance gráfico é a tradução literal de graphic novel :)

  • Antonio Medeiros

    Quando todo mundo falava graphic novel ninguém reclamava haha

    • Capivara_Man

      Eu reclamava! É porque se fala história em quadrinhos? Qual o problema com gibi? Parece que os caras se sentem constrangidos em assumir que fazem gibis. É tipo aquele pessoa que diz: “Eu não sou um cabeleireiro. Eu sou hair designer!”

  • Ronildo Abijaude

    O que mais me espanta é o preço das obras dos brasileiros. 232 páginas por 109,90. Cacetada!
    O lanterna verde na minha mesa tem 92 páginas e custa 14,90. Se tivesse o triplo custaria no máximo 60.

  • 0-Drix

    Aproveitando a discussão do uso do termo “romance gráfico”, eu lembro que escutei numa antiga edição do QuadrinCast que o termo “gibi” foi criado por Roberto Marinho e significa as duas primeiras letras, pronunciadas em inglês, para “Graphic Book”.
    Alguém tem informações mais precisas sobre este fato?

    Ah! Este novo título do Quintanilha já está à venda nas lojas físicas da Livraria da Travessa – sem qualquer desconto, claro!

    • Cassiano Cordeiro Alves

      Até onde sei, “gibi” era uma palavra cujo sentido coloquial remetia a “moleque”, “negrinho”, “menino que leva e traz recados”, etc. Como no início do século XX o público alvo das hqs eram crianças, especialmente os meninos, o termo acabou gerando uma identidade entre o produto e seu público.

  • Danilo Ddcarvalho

    Todo romance gráfico/graphic novel é gibi..nem todo gibi é romance gráfico.