Morreu Bernie Wrightson, um mestre dos quadrinhos

Por Sérgio Codespoti
Data: 20 março, 2017

Bernie WrightsonBernie Wrightson, cocriador do Monstro do Pântano e legendário artista de Frankenstein, faleceu no domingo, dia 19 de março, aos 68 anos, após uma longa luta com um câncer no cérebro. A notícia foi divulgada por Liz Wrightson, esposa do autor.

Bernard Albert Wrightson nasceu em 27 de outubro de 1948, em Dundalk, Maryland, nos Estados Unidos. Ele aprendeu a desenhar assistindo na TV os programas You Are an Artist (Você é um Artista) e Learn to Draw (Aprenda a desenhar), de Jon Gnagy, exibidos pela rede NBC. Além disso, fez o curso por correspondência da prestigiosa escola de artes Famous Artists School, cujos professores incluíam pintores e ilustradores como Norman Rockwell, Albert Dorne, Robert Fawcett, Al Parker, Austin Briggs, Stevan Dohanos, Peter Helck, Fred Ludekens, Ben Stahl, Harold Von Schmidt e Jon Whitcomb.

Outra fonte importante no aprendizado de artes de Wrightson foram os quadrinhos. Frank Frazetta era um de seus maiores ídolos, e seus trabalhos iniciais mostram essa influência. Uma de suas primeiras artes publicadas foi um desenho de fã, na revista Creepy # 9, da Warren Publishing, em 1966.

Aliás, foi em 1966, aos 18 anos, que ele começou a trabalhar profissionalmente com arte, fazendo ilustrações para o jornal The Baltimore Sun. No ano seguinte, conheceu Frazetta numa convenção de quadrinhos, em Nova York, e decidiu produzir suas HQs. Em 1968, foi contratado por Dick Giordano, da DC Comics, para fazer trabalhos como freelancer.

Seu primeiro trabalho profissional foi The Man Who Murdered Himself, uma história de Caim, com apenas três páginas, publicada em House of Mystery # 179, em 1968; seguido de Abraca-Doom, HQ do Espectro, de oito páginas, com enredo de Dennis O’Neil, que saiu na revista The Spectre # 9.

Wrightson desenhou bastante para as revistas de horror e mistério da DC Comics e, posteriormente, para títulos rivais da Marvel Comics, como Chamber of Darkness e Tower of Shadows. Nessa época, assinava seus trabalhos como Berni Wrightson, para diferenciar seu nome de um famoso nadador e mergulhador estadunidense que era seu homônimo, e ganhou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 1968, no México.

Anos depois, quando já era um artista conhecido, ele passou a assinar Bernie Wrightson.

Em 1971, desenhando para a DC Comics, foi o cocriador, com o roteirista Len Wein, de O Monstro do Pântano. Ele também criou Destino, junto com Marv Wolfman, na revista Weird Mystery Tales # 1, em 1972. Neil Gaiman usaria esse personagem, anos mais tarde, com um dos Perpétuos, em Sandman.

No ano seguinte, o autor retornou ao Monstro do Pântano, desenhando personagens como Alec Holland, Linda Holland, Matt Cable, Anton Arcane e Abigail Arcane. Devido à sua carga de trabalho nessa série, ele não pôde desenhar o relançamento do Sombra, que ficou nas mãos de seu amigo Michael Kaluta.

Ainda em 1972, Wrightson lançou Badtime Stories, uma antologia de quadrinhos de horror e ficção científica com roteiros e desenhos seus. As histórias foram criadas entre 1970 e 1971 e cada uma foi feita num estilo artístico diferente, usando recursos variados para criar efeitos de preto e branco e cinza como: desenho a lápis, aguada, papel duoshade (com dois tons distintos de cinza), retículas, arte-final com nanquim no pincel e no bico de pena.

Em 1974, ele passou a desenhar para a Warren Publishing, fazendo adaptações de histórias de Edgar Allan Poe e H.P. Lovecraft, e ilustrando seus próprios contos de terror. O autor também usou essas HQs para continuar experimentando com efeitos e estilos artísticos, misturando técnicas como aguada, uso de marcadores, retículas, estilos diferentes de arte-final etc.

Ele e os amigos Michael Kaluta, Barry Windsor-Smith e Jeffrey Jones criaram, em 1975, um estúdio artístico conhecido simplesmente como The Studio. Wrightson e Kaluta dividiam um apartamento na rua 79, em Nova York, onde também moravam Jeffrey Jones e sua esposa Louise “Wezzie” Jones (que, posteriormente, se casaria com Walt Simonson e trocaria de sobrenome mais uma vez). O endereço era frequentado por artistas, escritores e editores como Archie Goodwin e sua esposa Anne, Roy Krenkel, Gray Morrow, Al Williamson, Wally Wood, Vaughn Bode, Bill Stillwell, Al Weiss, Mary Skrenes, Steve Stiles e Allan Asherman.

Um dos objetivos do estúdio era produzir obras que não ficassem limitadas às revistas em quadrinhos da época. Eles fizeram calendários, cartazes e pôsteres, capas de LPs e de livros.

As 50 ilustrações de Frankenstein que Wrightson fez para o livro de Mary Shelley tomaram sete anos de sua vida e são um marco em sua carreira.

Capitão Sternn

Em 1980, o autor criou um personagem para a revista Heavy Metal, que posteriormente seria a base para o Capitão Sternn, do desenho animado Heavy Metal. Essa fase de sua carreira é marcada por uma grande diversificação em seu trabalho.

No ano de 1982, ele ilustrou a graphic novel The Freakshow, escrita por Bruce Jones, que foi primeiramente publicada na Espanha e serializada na Heavy Metal.

Wrightson fez diversas colaborações com Stephen King. Ilustrou o cartaz do filme Creepshow e desenhou a adaptação em quadrinhos, em 1983; fez artes para o conto Cycle of the Werewolf; The Stand; capas para as edições em capa dura dos livros From a Buick 8 e Dark Tower V; e as capas do TV Guide relacionadas à minissérie televisiva baseada em O Iluminado.

Dois outros projetos importantes de Wrightson da década de 1980 foram produzidos com Jim Starlin. A dupla foi responsável pelas HQs Heroes for Hope, da Marvel Comics, e Heroes Against Hunger, da DC Comics. Dois projetos beneficentes com participação de dezenas de artistas e escritores que arrecadaram fundos para ajudar a minimizar a fome na África. Heroes for Hope foi estrelado pelos X-Men e Heroes Against Hunger incluía Batman e Superman.

Com a escritora Susan K. Putney, Wrightson criou a graphic novel Spider-Man – Hooky (O Homem-Aranha, Graphic Marvel # 4, no Brasil), em 1986. No ano seguinte, ele desenhou Hulk and the Thing – Big Change (Hulk e o Coisa – A grande mudança, Graphic Marvel # 1, publicada no Brasil pela Abril), outra graphic novel da Marvel Comics.

A parceria com Starlin também resultou nas minisséries The Weird e Batman – The Cult (Batman – O Messias, no Brasil), ambas de 1988.

Como artista conceitual, Wrightson criou ilustrações para em filmes como Ghostbusters – Os Caça-Fantasmas, Prova Final (The Faculty), Heróis Fora de Órbita (Galaxy Quest), Homem-Aranha (Spider-Man), Terra dos Mortos (Land of the Dead) e O Nevoeiro (The Mist).

Em 2012, Wrightson retornou ao monstro Frankenstein, numa colaboração com seu amigo Steve Niles, desenhando Frankenstein Alive, Alive!, publicado pela IDW. A obra lhe rendeu o prêmio da National Cartoonists Society.

Outros prêmios recebidos por Wrightson em sua carreira incluem: Shazam, em 1972 e 1973, por O Monstro do Pântano; o prêmio humanitário Bob Clampett (com Jim Starlin), em 1986, pelos seus esforços contra a fome na África; o Inkpot, em 1987; o prêmio H.P. Lovecraft (“Howie”), no Lovecraft Film Festival, em 1987; e o Inkwell de reconhecimento especial pelos 45 anos de sua carreira, em 2015.

Após a notícia de sua morte, Wrightson recebeu muitas homenagens de escritores, artistas e cineastas nas mídias sociais, incluindo Mark Waid, Neil Gaiman, Bill Sienkiewicz, Mark Evanier, Brian Bendis, Guillermo del Toro, Joss Whedon, Becky Cloonan, Mark Hamill, Patton Oswalt, Jim Lee etc. Várias editoras e veículos como o The Comics Journal também prestaram suas homenagens.

Save

• Outros artigos escritos por

.

  • Stephan

    Todo dia é Sexta-Feira 13, toda hora é Meia-Noite, e todas as vezes em que a palavra Horror for pronunciada há de se relembrar o legado imortal de Bernie Wrightson!
    Sua morte trouxe um imenso vazio que talvez jamais seja preenchido novamente nesse meio…
    Obrigado, Mestre, pelos tantos calafrios que você nos deu!!!

  • Henrique Brum

    lembro no curso de desenho dia que o professor levou o Frankenstein dele na aula..trabalho absurdo..impressionante. RIP

  • Stephan

    O Mestre Wrightson era do tipo de artista que, quando se vai, é como se fosse alguém da nossa família, tal a presença e impacto que o seu trabalho teve em nossas vidas.
    Mesmo aqueles que não gostam do gênero Terror hão de concordar que o seu trabalho era único e insubstituível!

  • Excelente compilação. Bernie Wrightson era um dos maiores. Belo trabalho Codespoti.

    • codespoti

      Opa, valeu.

  • Alessandro Souza

    Gênio. Bernie Wrighston e Grahan Ingels foram os maiores ilustradores de HQs de terror.

  • marcio coelho

    Notícia muito triste! Mais um que nos deixa fisicamente, sorte que deixou um legado fabuloso. Sou um grande fã do traço desse mestre inigualável. Sou de uma época que não tinha imagens na net para pesquisar e baixar. Lembro de uma hq na revista Krypta(?) onde alguém tenta capturar um monstro marinho!! Quase piro com o traçado das redes, o mar, enfim, o equilíbrio do preto. Tenho o Frankenstein e abrir aquilo ali é assustador… Do ponto de vista artístico! Valeu Codespoti por muitas ilustrações que não conhecia…Correrei atras delas.
    E que esse Mestre vá em paz!!

    • Stephan

      A história se chamava “O Monstro do Lago Pepper” e foi publicada no quinto número da revista Kripta(RGE).

  • The Tarakian

    Cancer é uma doença devastadora. Dizem que a origem pode ser de uma mágoa profunda ou tristezas mantidas por muito tempo.
    Ele foi o mestre do terror, mas também sabia contar histórias de humor ácidas como as do Capitão Sternn.
    Adeus? Não! É apenas um até logo.

    • Stephan

      A alimentação também tem influência no surgimento dessa doença.

  • Fernando Amaral

    Época maravilhosa dos quadrinhos. Mais um dessa turma aí que se vai. Obrigado por tudo.

  • Jotape Ferreira

    Grande artista, que Descanse em Paz.

  • VAM!

    Sergio, parabéns pela pesquisa.

    Companheiro, como forma de celebrar o legado de Wrightson, a realização de um Podcast sobre HQs de Terror pode ser uma excelente oportunidade de contar histórias e narrar as controvérsias que envolveram os criadores e editoras que trabalharam com gênero tanto tanto aqui, quanto nos EUA.

    Fica aí essa dica horrorosa…

    Abs,
    VAM!

  • Enoch

    Os maiores artistas conquistam a admiração mesmo entre seus pares. Que descanse em paz.

  • Pedro Ribeiro

    Aquela graphic novel do HOMEM ARANHA sempre estará na minha lembrança!!!!! :)