Netflix compra Millarworld e ganha braço editorial

Por Samir Naliato
Data: 7 agosto, 2017

Após anos trabalhando para editoras como DC Comics e Marvel, e produzidos aclamadas obras como The Authority, Supremos e Guerra Civil (dentre outras), o escritor Mark Millar decidiu se dedicar a quadrinhos autorais. Sob o selo Millarworld (O Mundo de Millar, em tradução livre), desenvolveu vários projetos com artistas convidados, e a publicação se deu por editoras como Image, Top Cow, Avatar e Marvel (via selo Icon).

Neste modelo, criou Kick-Ass, Nêmesis, Superior, Supercrooks, Kingsman – Serviço Secreto, Empress, Wanted, Chosen, The Unfunnies, O Legado de Júpiter, Reborn, Starlight, Huck, MPHCrononautas e outros, nos quais teve a colaboração de artistas como Frank Quitely, Stuart Immonen, Goran Parlov, Leinil Francis Yu, Rafael Albuquerque, Steve McNiven, Greg Capullo, Sean Murphy, JG Jones, Duncan Fegredo, Tony Harris, Dave Gibbons e John Romita Jr.

O rápido crescimento e o fato de vários desses projetos serem adaptados para o cinema despertou o interesse da Netflix. Após meses de conversas, os dois lados anunciaram que o serviço de streaming comprou o Millarworld, e trabalhará nas adaptações de seus quadrinhos para filmes, seriados e programas infantis, que serão exibidos exclusivamente para os assinantes da plataforma.

Além disso, Mark Millar continua criando e publicando quadrinhos, que passarão a ser publicados sob o selo da Netflix.

No início do ano, surgiu a notícia de que a empresa pensava em levar suas propriedades para outras mídias, como quadrinhos. Seria este o primeiro passo desse projeto?

“A aquisição, a primeira deste tipo já feita pela Netflix, é uma progressão natural da empresa em seus esforços para trabalhar diretamente com criadores e adquirir propriedades intelectuais de histórias, com personagens atraentes e entrelaçados mundos ficcionais”, afirmou a Neflix em comunicado oficial.

“Esta é apenas a terceira vez que uma empresa de quadrinhos é comprada neste nível”, disse Mark Millar, se referindo à compra da DC Comics pela Time Warner e da Marvel pela Disney. “Estou apaixonado pelo que a Netflix tem feito, e animado com os planos deles. Netflix é o futuro, e Millarworld não poderia ter um lar melhor.”

No Brasil, os quadrinhos do Millarworld são publicados pela Panini Comics.

• Outros artigos escritos por

.

  • Aquele momento em que a gente começa a torcer para surgir um outro serviço de “streaming” de gibis, que nem o Social Comics…

    • Ciro Monteiro

      Eu acho mais interessante sw o stremming de quadrinho fosse dentro do netflix.

  • Silvio César

    Achei um movimento genial de ambas as partes. Tá certo o Millar e a Netflix. Pensar no futuro e não repetir o passado.

  • Pablo Leite

    Foi uma aquisição inteligente por parte da Netflix, que na verdade, agora passa a ter um dos melhores criadores dos últimos 20 anos criando conteúdo excitante para ser adaptado a outras mídias. quanto a Millar, sem dúvida embolsou mais alguns milhões pela transação.

  • Pituta

    Quer dizer que os personagens não são mais dele?

    • Banzé

      Isso. Igual quando o Jim Lee vendeu a Wildstorm para DC Comics anos atrás.

  • Andrei AD

    Torcendo muito para ter uma mini-série ou filme do Huck! http://bit.ly/2vBf5Qs