Battle Angel Alita – Gunnm Hyper Future Vision # 1

Por Audaci Junior
Data: 9 março, 2018

Battle Angel Alita – Gunnm Hyper Future Vision # 1Editora: JBC – Série bimestral em quatro volumes

Autor: Yukito Kishiro (roteiro e desenhos) – Originalmente publicado em Battle Angel Alita – Gunnm Hyper Future Vision # 1 (tradução de Arnaldo Masato Oka).

Preço: R$ 39,90

Número de páginas: 448

Data de lançamento: Dezembro de 2017

Sinopse

Um mundo distópico, onde a alta tecnologia e a decadência da humanidade se misturam. É nesse futuro caótico que a ciborgue Alita é trazida de volta à vida.

Daisuke Ido, um engenheiro cibernético que vive na Cidade da Sucata, localizada logo abaixo da exuberante cidade flutuante de Zalem, encontra as poucas partes de Alita no lixão e decide reconstruí-la.

Viva uma vez mais, com um novo corpo, porém sem memória, a ciborgue começa a trilhar seu próprio caminho em busca do passado perdido e de sua verdadeira identidade. No entanto, obstáculos insuperáveis e adversários inescrupulosos surgirão à frente de Alita, que passa a ser uma Guerreira Caçadora.

Positivo/Negativo

O cenário de Battle Angel Alita é bem familiar para quem aprecia o gênero de ficção científica. Independentemente de quem veio primeiro, basta lembrar de filmes como Metrópolis (1921), de Fritz Lang (1890-1976), ou o mais recente Elysium (2013), de Neill Blomkamp, nos quais a pirâmide social é bem distinta: os abastados em cima e os menos favorecidos abaixo, literalmente.

A misteriosa cidade flutuante de Zalem (Tiphares na versão norte-americana), suspensa através de um anel orbital, parece utópica. É entre as imensas pilhas de sucata despejada na Terra (uma crítica à produção de sucata e lixo doméstico no Japão?) que o especialista em ciborgues, Dr. Daisuke Ido, encontra os restos de Alita.

Curioso o caminho da dúvida que Yukito Kishiro faz nas primeiras páginas, mostrando também que este mangá não possui uma atmosfera mais “leve”, o que pode aparentar nas características mais cartunescas – lembrando a herança estética de Osamu Tezuka (1928-1989). A violência é bem vigorosa, bizarra e grotesca em determinados momentos, dosada com um relaxamento de comicidade mais contida, sem tanta galhofa.

A série pode até não ter premissas originais, mas o que conquista na sua leitura – mesmo se falando de uma edição de quase 450 páginas – é o seu ritmo rápido e suas bem construídas e empolgantes cenas de luta. Bruce Lee (1940-1973) é uma das fontes de inspiração do quadrinhista.

Mesmo avançando os arcos com clichês, é mantido o interesse de saber mais do passado da desmemoriada protagonista, assim como algumas perguntas sem respostas. Entre um sopapo e outro nas lutas dignas de Davi contra Golias, o autor incrementa a narrativa com criaturas cibernéticas que citam frases atribuídas ao filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900) e traz alusões de outras mitologias, como o nórdico Berserker.

A arte de Kishiro sabe ser econômica quando é necessário, mas tem passagens bem detalhadas, e assim ele dita o ritmo de leitura. O destaque são as páginas duplas e painéis mais abertos, que evocam mais dramaticidade às ações.

Originalmente lançado no começo dos anos 1990, na revista Business Jump (Editora Shueisha), Battle Angel Alita chegou a ser republicada no Japão pela Kodansha. Entre 2000 e 2014, saiu uma sequência chamada Last Order. Atualmente, Yukito Kishiro trabalha em uma terceira e derradeira série, intitulada Mars Chronicle, que foi iniciada há quatro anos.

A série já ganhou animações, videogames, livros e este ano estreia a versão cinematográfica de Hollywood, com direção de Robert Rodriguez (de Sin City – A Cidade do Pecado) e produção de James Cameron (Avatar).

O veterano Cameron é um entusiasta dos quadrinhos. Chegou a declarar que X-Men – Dias de um Futuro Esquecido foi uma das inspirações para O Exterminador do Futuro (1984), estava planejando trazer o Homem-Aranha pras telonas nos anos 1990 e sempre quis produzir Battle Angel Alita.

Inclusive, segundo o gerente de conteúdo da JBC, Cassius Medauar, a alteração do nome original da personagem principal (Gally) para o batismo que ficou conhecido nos Estados Unidos (Alita) foi uma decisão em conjunto com o Japão de usar o título internacional da obra, por causa do filme que vem aí. Fora isso, foram mantidos nesta versão brasileira todos os outros nomes originais.

A própria JBC publicou na íntegra o mangá entre 2003 e 2004, em 18 números, com sobrecapa, papel pisa brite e formato menor (11,5 x 17,5 cm). A curiosidade é que, por ser anterior ao acordo, a protagonista adota seu nome original (Gally) e o título só era Gunnm Hyper Future Vision.

A nova edição vem no formato “Big” (nas dimensões 13,5 x 20,5 cm), o mesmo adotado em séries como Blade – A lâmina do imortal e Eden – It’s an Endless World. Também apresenta a capa cartonada (sem orelhas), um miolo com algumas páginas coloridas, boa gramatura e impressão.

O principal diferencial físico dos outros é o papel. Em vez do alvo off-set, foi adotado o lux cream, mesmo de HQs como Akira e Death Note – Black Edition. O resultado é uma abertura maior do gibi, deixando-o mais maleável sem prejudicar a encadernação em brochura, além de ser antirreflexivo, garantindo uma leitura mais confortável.

Com relação ao custo/benefício, cada volume equivale a quatro edições e meia da coleção anterior da editora, que também está lançando a série em versão digital, no formato referente à primeira coleção japonesa, com 9 volumes.

Lembrando também que antes, em 2002, a Opera Graphica lançou uma edição bastante duvidosa da série, misturando o título, Alita Battle Angel Gunm, e alegando que era uma “graphic novel” com a “saga completa” (eram apenas 260 páginas).

Classificação

4

.

Compre esta edição aqui!

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Jotape Ferreira

    Pra mim, é um clássico dos quadrinhos japoneses. A arte do Kishiro é espetacular e fica ainda melhor nas edições seguintes.

    Só uma observação: “The Last Order” já foi concluída no Japão. Kishiro trabalha atualmente em “The Mars Chronicles”, mais uma série ligada ao universo de “Battle Angel Alita”.

    • Audaci Junior

      Muito obrigado pela informação, Jotape! Já foi adicionada no texto! Abração!