Bear – Volume 1

Por Audaci Junior
Data: 5 setembro, 2014

Bear – Volume 1Editora: Nemo – Edição especial

Autor: Bianca Pinheiro (roteiro e arte).

Preço: R$ 34,00

Número de páginas: 64

Data de lançamento: Julho de 2014

Sinopse

Empolgada na perseguição de uma borboleta, a pequena Raven acaba se perdendo dos pais e vai parar em uma floresta. Sem saber o caminho de volta para casa, depara-se com Dimas, um urso rabugento e pançudo de cor marrom meio alaranjada que topa ajudá-la na empreitada.

Positivo/Negativo

Com um delicado traço, um bem equilibrado uso de cores e uma narração dinâmica, Bear já conquista nas primeiras páginas.

Migrando de uma webcomic homônima semanal ainda em andamento, esta edição reúne os primeiros passos da dupla formada pela simpática e inocente Raven e o urso meio rabugento e igualmente carismático Dimas, que prefere chá e biscoito a ser um animal carnívoro.

Apesar de ter o ar todo puxado para um espaço infantojuvenil, a obra também conquista a atenção dos marmanjos pelo fôlego carregado por sua inteligente simplicidade (sem ser simplória) e pela pegada pop.

Neste volume de estreia já aparecem referências da literatura, cinema e quadrinhos, a exemplo das participações especiais de um certo marinheiro comedor de espinafre, do famoso detetive britânico criado por sir Arthur Conan Doyle, de um personagem da animação Disney O Rei Leão e até a ficção científica O quinto elemento, de Luc Besson.

O que predomina, além do bom humor, é o tom de fábula. A dupla – munida com suas respectivas mochilas e passos na busca dos pais da garotinha – se depara com o primeiro desafio: sair de uma cidade cuja moeda de troca de informações se dá por resolver enigmas.

A própria Bianca Pinheiro aparece nesse momento da história como a Oráculo (com mais uma referência nerd a Harry Potter). O ponto alto de sua participação se torna mais idiossincrásico quando a quadrinhista faz um paralelo com a pressão do dia a dia no cinzento “mundo real”.

Outro destaque é o flerte com a experimentação metalinguística na página 28, obliterando a leitura tradicional com uma brincadeira que vai além das calhas da diagramação.

Assim como Raven, quando Dimas observa que o “retrato falado” familiar feito pela menina parece se mexer, a arte de Bianca também pode ser colocada nessa perspectiva. Seus desenhos parecem ganhar vida pela naturalidade de uma produção animada.

Vale ressaltar que essa sequência em que a protagonista rabisca o desenho dos seus pais tem maior impacto na webcomic, com o uso de um gif animado. Infelizmente, tais ferramentas da internet são recursos que o papel não pode reproduzir.

A edição da Nemo chama a atenção por respeitar as dimensões “alongadas” produzidas na internet (em um formato 20 x 32 cm). Tudo com boa impressão em papel couché e capa cartonada sem orelhas. O volume ainda conta com posfácio assinado pela autora, biografia, primeiros esboços e a solução da charada do portão da aventura.

Além de Bear, a editora lançou o álbum Como eu realmente… – Passeios pelo lado meio esquisito da nossa imaginação, de Fernanda Nia, mais uma série nascida no universo virtual.

Uma iniciativa de “tirar o chapéu” da Nemo, que já vem publicando material nacional desde sua gênese, junto com obras vindas da Europa. Um bom meio de divulgação de novíssimos talentos dos quadrinhos brasileiros.

Bear se mostra uma dessas bússolas que norteiam o cenário das HQs no País, seja pelo meio binário, seja pelo meio físico.

E as jornadas da obra e autora estão apenas começando…

Classificação

4,0

• Outros artigos escritos por

.