Shazam!

Por Nobu Chinen
Data: 21 maio, 2007

Shazam!Editora: Perspectiva – Livro Teórico

Autores: Álvaro de Moya e outros.

Preço: R$ 25,00

Número de Páginas: 344

Data de lançamento: 1972

Sinopse

Um dos livros teóricos sobre quadrinhos pioneiros no Brasil, é o primeiro inteiramente dedicado ao assunto a reunir ensaios de vários autores que discorrem sobre diferentes aspectos das HQs. O principal deles é o histórico, com descrição ou menção dos principais quadrinhos do mundo.

Positivo/Negativo Se existe na literatura brasileira referente a quadrinhos um livro que mereça ser chamado de clássico, é este. Durante anos, Shazam! foi a principal referência sobre o assunto, a fonte de consulta fundamental para quem desejasse conhecer um pouco mais sobre as séries, seus personagens e autores.

Neste volume de pequeno formato, Álvaro de Moya conseguiu reunir um time de autores de respeito entre os quais, Naumin Aizen, Sérgio Augusto, José Ângelo Gaiarsa, Paulo Gaudêncio e Jô Soares. Algumas presenças são inusitadas, pois são nomes conhecidos em outras áreas do conhecimento e não costumam estar associados às HQs.

Com o nítido propósito de inserir os quadrinhos entre as disciplinas mais sérias de estudos da cultura de massa, o livro não se restringe a fazer um apanhado histórico de autores e personagens e vai além. Há capítulos sobre o caráter pedagógico das HQs, uma análise sob o ponto de vista psicanalítico e até uma ótima abordagem técnica que explica o processo gráfico de produção de um gibi.

Em um dos capítulos, Moya faz uma análise impressionante de uma história do Spirit, de Will Eisner, sob o ponto de vista narrativo que comprova a genialidade do falecido mestre norte-americano.

O livro também dedica um extenso capítulo ao quadrinho nacional, um material bastante informativo e útil.

Como aspecto negativo, no capítulo escrito por Jô Soares há um equívoco, pois segundo ele, o Fantasma publicado na década de 1960 seria filho do que aparecia nas tiras em 1936, ano de origem da série. Talvez sua intenção tenha sido usar um recurso retórico e figurativo para dizer que entre o comportamento do personagem nos idos de 1936 e o de 1970 existe uma defasagem de uma geração inteira de mudança de padrões e ideologias, mas a justificativa apresentada não sustenta essa versão.

A variedade de autores de diferentes especialidades que, por um lado, é a força do livro também é sua fraqueza, porque os textos apresentam qualidade e estilo irregulares.

Embora sua leitura continue sendo obrigatória, é bom destacar que, por ser uma obra com 35 anos de idade, ela exibe os inexoráveis sinais de passagem do tempo. Por exemplo, há uma menção à eterna solteirice do Fantasma, sendo que o herói já se casou faz tempo, e outras referências datadas.

Álvaro de Moya é um dos mais respeitados estudiosos de quadrinhos do mundo. Além de participar de alguns dos principais eventos sobre o assunto, é autor de diversos livros, matérias em jornais e revistas e colaborador em importantes publicações internacionais como os fantásticos World Encyclopedia of Comics, de Maurice Horn, Histoire Mondiale de la Bande Dessinée, de Pierre Couperie e Historia de los Comics, de Javier Coma.

Shazam! é um dos poucos livros brasileiros sobre HQ citados com freqüência em bibliografias de obras teóricas sobre o assunto publicadas no exterior – e com toda razão. Merece ser conhecido pelas gerações mais recentes.

Além do mais, é um verdadeiro fenômeno de sobrevivência, pois, embora tenha sido lançado em 1972, sua terceira edição, de 1977, continua disponível em algumas livrarias e sites.

Classificação

5,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.