Flavio Colin: Uma lenda viva dos quadrinhos; e brasileiro, com orgulho!

Por Samir Naliato
Data: 31 março, 2001

Aos 70 anos, é um defensor exacerbado dos quadrinhos nacionais. Não gosta do Batman, nem do Super-Homem. Acha que são coisas dos gringos. Conheça um pouco mais sobre o mestre Flavio Barbosa Mavignier Colin, ou simplesmente, Flavio Colin, em suas próprias palavras!

 

Flavio Colin em seu estúdioEle é simplesmente o maior mestre da nona arte no Brasil, ainda na ativa. Possui um traço único, diferente, estilizado. Já desenhou de tudo um pouco, passando por tiras, HQ’s de terror, eróticas e até álbuns com obras históricas. Em fevereiro de 2001, ganhou o troféu Angelo Agostini de melhor desenhista de 2000, com Fawcett.

Aos 70 anos, é um defensor exacerbado dos quadrinhos nacionais. Não gosta do Batman, nem do Super-Homem. Acha que são coisas dosgringos. Nas suas HQ’s podemos encontrar a mula-sem-cabeça, o saci-pêrere, caboclos, mulatas, samba, macumba, cerveja, enfim, tudo aquilo que tiver raízes em nossa cultura.

Conheça um pouco mais sobre o mestre Flávio Barbosa Mavignier Colin, ou simplesmente, Flavio Colin, em suas próprias palavras!

Universo HQ: Como foi o seu início de carreira? Em que ano isso aconteceu? Como era o mercado de quadrinhos no Brasil naquela época?

Flavio Colin: Eu iniciei nos anos 50, na Rio Gráfica Editora, no Rio de Janeiro. O quadrinho brasileiro nunca foi essas excelências, não é? Mas as revistas que eram publicadas, inclusive as da Rio Gráfica, vendiam bem. Tinha Fantasma, Cavaleiro Negro… e depois as nacionais: “O Anjo” e o “Jerônimo”, que também vendiam bem. Pelo que eu me lembro!

UHQ: Que artistas influenciaram seu estilo?

Colin: Eu admirava muito o trabalho do Milton Caniff, que desenhava “Terry & Os Piratas”; Chester Gould, que fazia Dick Tracy; Alex Raymond, de Flash Gordon, um dos maiores desenhistas americanos, se não for o maior; e Burne Hogarth, que fez Tarzan.

UHQ: Poderia fazer um pequeno resumo de sua trajetória no meio? Editoras e títulos para os quais trabalhou, principais obras etc…Você publicou fora do País?

Colin: Não sei qual foi minha principal obra… Alguns dizem que realmente foi “O Anjo”, aquela novela de rádio adaptada para HQ, lançada pela Rio Gráfica, que durou mais e me projetou no mercado de quadrinhos. Mas depois eu também fiz muita coisa para a Editora Outubro, de São Paulo, do Jayme Cortez e do Miguel Penteado. Eram histórias de Terror. Além disso, fiz os primeiros números de “O Vigilante Rodoviário”, que foi o primeiro seriado nacional de televisão.

Depois, houve um período para a publicidade. Durou uns 12 anos, e parei até de fazer quadrinhos. Aí, voltei para a Grafipar, do Paraná, com histórias eróticas; para a editora Vecchi; e fiz o Lobisomem para a editora Bloch. Então, fui pegando trabalhos avulsos, pois não tinha mais uma série completa. Sempre fiz quadrinhos.

Cheguei a publicar na Bélgica, na Itália e até em Portugal, pela Meribérica.

UHQ: Como você comentou, no início de sua carreira fez uma adaptação da série policial de rádio O Anjo e, posteriormente, um seriado de TV (O Vigilante Rodoviário). Como eram as vendas desses títulos? Qual a dificuldade em se fazer esse tipo de adaptação?

Colin: O Vigilante era negociado em São Paulo, pela Editora Outubro e, até onde eu sei, vendia muito bem. O Anjo também, porque tinha a cobertura da novela radiofônica, e faziam aqueles cartazes em bancas e pontos de vendas.

A dificuldade era que “O Anjo”, no rádio, se passava nos Estados Unidos e, por isso, todos os nomes e cidades eram americanos. Mas, nos quadrinhos, houve um acordo entre a Rio Gráficae o Álvaro Aguiar, o autor, para tudo ser transferido para o Brasil. Então, era a mim que competia receber os capítulos da novela, e colocar aquilo tudo em HQ, com nomes brasileiros e cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre etc.

UHQ: Você foi um dos pioneiros no Brasil em fazer adaptações históricas para os quadrinhos. Esse tipo de trabalho exige muita pesquisa visual?

Colin: Eu fiz alguns trabalhos de episódios históricos. Sempre tive preocupação em fazer algo o mais bem documentado possível. O brasileiro é tão ignorante sobre as suas coisas, sua história, que é bom fazermos algo o mais próximo da verdade possível, para informar direito. Pra não fazer igual a algumas novelas por aí, que misturam índio americano com o índio brasileiro, e o povo não fica sabendo como é o índio brasileiro.

Não fiz muito, porque não apareceram mais oportunidades, mas é algo que eu gosto, porque instrui e diverte também.

UHQ: Há desenhistas que simplesmente ignoram a pesquisa na hora de conceber suas páginas. Qual o seu recado para esses “artistas”?

Colin: Eu acho que a pesquisa é fundamental, porque a memória é falha. A pesquisa te leva, não só a valorizar o trabalho e passar uma informação mais precisa e correta, como também a aprendermos. É subsídio para nossos futuros trabalhos.

Os quadrinhos são uma arte muito complexa. As pessoas, às vezes, não se dão conta disso, e acham que é algo infantilóide. Não! Existem muitos tipos de quadrinhos, assim como existem muitos tipos de filme e de música. Nem toda história em quadrinhos é infantil! Agora, eu acho que o desenhista tem que ler e, se puder, viajar. No meu caso, nunca pude viajar, porque sempre fui um “durão”, mas comprava livros, sempre! Leio livros sobre tudo.

Isso porque, por exemplo, se pintar uma história passada na China, e eu não li nada sobre o lugar, claro que vou fazer uma pesquisa, mas já terei um registro na memória. E assim por diante.

Colin com um trabalho ainda inédito Spektro

UHQ: O maior volume do que você produziu foi, sem dúvida, histórias de terror. Por que optou por trabalhar especificamente com terror? Você curtia bastante o gênero?

Colin: Ah, eu curtia muito! Há quem diga que não é terror, é “terrir” (risos). Mas acontece que o terror era o que tinha na época, e o que vendia bastante, principalmente em São Paulo. Era um mercado em que o americano e seus copyrights não entravam. Então, era um espaço para o artista brasileiro.

O terror é bom de fazer, muito gostoso, porque incita sua imaginação. Você pode criar monstros e situações, inventa em cima de várias coisas. Fiz também muitas histórias de terror para aEditora D-Arte, do Rodolfo Zalla: Calafrio, Mestre do Terror… que também fechou, para variar!

UHQ: Monstros diversos, vampiros, lobisomens, zumbis, tarados sexuais, duendes, extraterrestres e muito mais. A inspiração para a criação visual das centenas de personagens que você já desenhou veio de onde? Do cinema? Dos livros?

Colin: Sim, de tudo! Essas histórias de Lobisomem, fantasma, almas de outro mundo, de visões, estão todas no folclore brasileiro, a gente as escuta desde de criança. Todos já ouviram falar disso! Isso é muito do brasileiro, do caboclo e do índio. Quem vive no mato, na selva, tem muito disso, acaba vendo coisas. É um bicho que passa, a sombra de uma árvore… Então, para justificar o medo deles, falam que é o Saci Pererê, uma alma de outro mundo etc… É assim que surgem essas figuras. O americano não tem muito disso. Quer dizer, eles têm lá os fantasmas dele. Gostam muito de vampiro, mas vampiro é universal. E depois partiram para a ficção científica.

UHQ: Hoje, você acredita que exista espaço para o terror nos quadrinhos?

Colin: Olha, eu acho que existe SEMPRE! As gerações se renovam, caramba! Falam que não vão fazer mais histórias de faroeste. Por quê? Sempre que passa um faroeste no cinema ou na televisão eu vou ver. Claro que isso não é um exemplo, porque foi assim que me criei. Atualmente é ficção científica, mas, na minha época. era faroeste. Todo mundo desenhava isso.

Até hoje se desenha faroeste. Grandes artistas na Europa desenham esse estilo. Como também desenhariam terror, por que não? Desde que seja conduzido com competência, inteligência e coragem. Mas falta editor, poxa. Os caras querem mole, trazem aquela titica toda prontinha, coloca balãozinho, roda e tchau!

UHQ: É possível perceber, notadamente, na extinta revista Spektro, da Vecchi, que o material nacional continha sempre uma boa dose de sexo e sacanagem. Qual a reação dos leitores com relação a isso, na época?

Colin: Eu acho que reagiam muito bem, porque todos gostam de sacanagem (risos)! Se você olhar a história do mundo, verá que gregos, romanos, egípcios… todos eram chegados a uma bandalhazinha.

O que acontece é o seguinte: de uns tempos pra cá, o erotismo tomou conta. No meu tempo de rapaz, não tinha revista de mulher nua, nem nos quadrinhos. Dick Tracy, Flash Gordon… eles não tinham. Nem mesmo no terror daquela época. Mas, com essa onda, os editores achavam que se não tivesse pelo menos uma seqüência erótica, não venderiam as revistas. Por isso, era quase obrigatório se desenhar isso.

UHQ: Como foi trabalhar com o Ota (nota do UHQ: atual e eterno editor brasileiro da MAD, que, na época, respondia pelas edições de terror da Vecchi)?

Colin: Foi tudo bem, enquanto durou. Eu tinha trabalho pra fazer, e não tinha problema. Eu ilustrei várias histórias foram por ele mesmo, embora usasse pseudônimo. Depois, fizemos até uma revista chamada “Hotel do Terror”, que, infelizmente, não foi pra frente, e ficou no primeiro número. Foi uma série que fizemos na Vecchi, que depois ele tentou fazer em formato de revista.

UHQ: Qual foi o motivo da falência da Editora Vecchi?

Colin: Olha, cada um tem uma versão. A que eu soube, é que o filho do dono da Vecchi começou a fazer gastos em investimentos, acima do possível. A estrutura da editora não agüentou e arrebentou.

UHQ: Você chegou a sofrer algum tipo de censura, em sua carreira? Se sim, fale-nos um pouco dessa época.

Colin: Nunca. Censura nenhuma. Bom, censura houve quando eu desenhei o Sepé para a CETPA(Cooperativa Editora de Trabalho Porto Alegre S.A.), uma cooperativa em Porto Alegre, do tempo do Leonel Brizola. A CETPA fazia coisas regionais. Por exemplo, eu desenhava o Sepé, um personagem real. Era um índio missioneiro. No Rio Grande existe até uma cidade e um rio chamados São Sepé.

Ele era meio canonizado, porque tinha um sinal na testa, uma meia lua, que era uma falha na pele, que brilhava quando o Sol batia. Então, viam nele uma figura mística. Como missioneiro, ele defendeu os padres jesuítas naquela guerra das missões. Tinha também “O Aba larga”, que era a polícia montada do Rio Grande, desenhado pelo Getúlio Delphin; e “O Gaúcho“, do Júlio Shimamoto.

Era uma cooperativa que publicava temas nacionais. Mas, como estava interligada ao Brizola, quando houve a rebordosa, fechou; e os desenhistas que faziam aquilo ficaram meio marginalizados.

UHQ: Um artista que podemos colocar como tendo uma carreira em paralelo com a sua, é Julio Shimamoto. Em praticamente todas revistas que você trabalhou, também encontramos obras dele. Qual sua relação com Shima? O que você acha do estilo dele?

Colin: Meu relacionamento com ele, felizmente, é fraternal. Sou um admirador dele, pela cultura que ele tem, pela sua simpatia, pela pessoa que é. Não nos vemos com a mesma freqüência, porque moramos longe um do outro, mas quando pegamos no telefone é quase uma hora de papo, porque falamos quase de TUDO. Sempre estou aprendendo alguma coisa com ele, com certeza.

Quanto ao trabalho dele, sou um admirador. É engraçado, nossos estilos são tão diferentes, mas eu gosto da maneira que ele desenha. Dinâmico, contrastado. Desenha muito bem, desenha a arte muito bem. É um grande desenhista, um dos maiores que eu conheço.

UHQ: Você chegou a fazer uma tira em quadrinhos chamada Vizunga, que, para nosso orgulho, está sendo republicada no Universo HQ. Qual a história dessa tira? Foi publicada em quais jornais ou revistas? O que levou ao cancelamento?

Colin: A história é que eu fui procurado pelo Mauricio (Nota do UHQ: Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica) pra fazer um trabalho para publicar na Folha de São Paulo. Então, criei oVizunga, porque sempre gostei de natureza, animais etc. Acho que tem muito desenhista e roteirista focando temas urbanos. Como eu, que, embora carioca, fui muito menino para o interior de Santa Catarina, e lá era mato mesmo. Meu pai foi trabalhar em uma madeireira. Acabei tendo um convívio muito direto com os animais e a natureza. Desgraçadamente, havia muito caçador. Existe aquela brincadeira de que todo caçador e pescador é mentiroso, exagerado; e isso me deu a idéia de criar o Vizunga.

Tem uma parte mais “séria”, mais “acadêmica”, onde ele recebe os amigos, conversa e começa a contar suas pescarias e caçadas, eu entrava com o cartum, a caricatura, para poder exagerar no tamanho do animal.

Pelo que eu sei, só a Folha publicou. Quer dizer, que eu vi. Dizem que saiu em outros lugares, mas isso eu não tenho conhecimento.

O cancelamento aconteceu porque eu ganhava muito pouco com aquilo, e o Mauricio ainda descontava a parte de distribuição dele. Aí, eu entrei para a agência de publicidade McCann Erickson e comecei a ganhar dinheiro. Um quadrinho de storyboard pagava o mês do Vizunga.

Vizunga

UHQ: Você teve alguma decepção nessa época?

Colin: Todo quadrinista brasileiro já nasce decepcionado. Não pude publicar mais em lugar nenhum. Adorava e adoraria fazer isso. Gastei muito dinheiro em livros, documentação, mapa, guia etc. Mas, infelizmente, não paga a esquine, e eu tenho família para sustentar.

UHQ: Podemos notar, no decorrer de seus trabalhos, uma grande mudança nos traços, chegando ao seu incrível estilo pessoal, quase caricato, na década de 70. Como foi essa mudança?

Colin: Olha, eu primeiro fui procurando um traço pessoal, algo que me identificasse. Mas um traço onde eu me sentisse à vontade, porque não adianta fazer algo que é pretensamente pessoal, mas você não se sinta confortável. Então, eu tinha que fazer alguma coisa que me agradasse, estética e artisticamente. Fui e sou um adepto da simplicidade. Acho que a coisa tem que ser simples.

UHQ: O Ivo Milazzo também comentou isso conosco. Ele disse que faz várias coisas em um traço o que outros fariam em 3 ou 4.

Colin: Exatamente! É o meu caso. Eu não rabisco muitas coisas. Uso muito contraste, mas procuro sintetizar, fazer a coisa simples. Talvez seja por isso que dizem que eu sou moderno, eu estilizo, às vezes meio caricato. Por exemplo, eu acho que se você for desenhar um bandidão, ele tem que ter no traço, na figura, alguma coisa truculenta, que o leitor olhe e diga ‘Esse aí é o bandido; e não o mocinho’.

Mas a simplicidade é muito difícil, porque é muito mais fácil colocar do que tirar. Agora, eu digo o seguinte, a base tem que ter estudo, tem que ser acadêmica. Meu esboço é quase acadêmico, a estilização é feita depois. Você não pode partir direto para o cartum, e eu vejo muito disso, principalmente, em fanzines. Mas o cartunista sabe que tem que ter essa base de anatomia. Estilizar direto é muito difícil e o desenho não fica completo.

UHQ: Qual é a recompensa em ter uma grande parte da vida dedicada aos quadrinhos, no Brasil?

Colin: Se for falar em termos de ser conhecido e ter conseguido um certo renome, tudo bem. Agora, financeiramente, é um desastre. Uma catástrofe. Pior que terremoto em El Salvador. É vergonhoso, humilhante.

Samir Naliato e o mestre Flavio Colin

UHQ: Em algum momento de sua carreira, foi possível viver apenas dos quadrinhos? Quando você enveredou pra ramo da publicidade? Fale-nos um pouco de suas outras atividades.

Colin: Eu não vivo apenas de quadrinhos, eu vivo, em grande parte, dos quadrinhos, mas quero mudar, porque não dá mais para agüentar. Eu sempre que posso ilustro um livro, e faço um freelancer para a área de publicidade. Fui mais para essa lado em 1964 ou 65.

Houve um concurso na McCann Erickson, do pneu Atlas. O tema era “Deixe o macaco em paz”. Eles queriam um macaco, o animal, e eu consegui fazer como eles queriam. Fiz toda a campanha, ganhei dinheiro. Não tinha vaga pra entrar na agência, mas fiquei conhecido por lá, pelo diretor de arte, o Oscar Gosso, um argentino.

Aí, aconteceu que um desenhista chinês resolveu sair, para ir pro Canadá, onde morava sua mãe, e abriu uma brecha. Eu trabalhava na TV Rio, e nunca tinha visto um storyboard, nem sabia o que era. Conheci lá, na hora. Mas como eu fazia quadrinhos; e storyboard tem muito a ver com HQs, não foi muito difícil.

Além disso, faço quadros, de vez em quando, e já fiz até exposição. Quero me dedicar mais a isso, porque talvez fazer “quadrão” dê mais lucros do que fazer quadrinhos (risos). Eu pinto com acrílico, sobre telas. Faço também esculturas de madeira, que é uma paixão que eu tenho.

UHQ: Quais prêmios você ganhou em sua carreira?

Colin: Já ganhei três HQ Mix, um em 1990 (Grande Mestre dos Quadrinhos), e outros em 1994 (Desenhista Nacional) e 1997 (como homenageado). Recebi também dois prêmios Angelo Agostini, sendo que o segundo foi esse ano, pelo meu trabalho em “Fawcett”. Ganhei um troféu do XII Salão Carioca de Humor, como homenageado, e um prêmio da Gibiteca de Curitiba.

Tem ainda outros, do Salão Internacional de Piracicaba; Press 1986, pelo conjunto da obra; e do Museu da Imagem e do Som. Houve também uma homenagem da Laura Alvim.

Colin e alguns de seus prêmios

UHQ: De tantas e tantas histórias que ilustrou, qual sua favorita? Por quê?

Colin: A favorita seria “O Caraíba”. Chegou a sair na Itália, mas não deu certo por aqui. Ele não nasceu com uma boa estrela, e resolvi não fazer mais.

UHQ: Qual sua opinião sobre os quadrinhos de super-heróis?

Colin: Olha, quadrinho pra mim é uma coisa fantástica. Com certeza é um dos maiores veículos de comunicação. É imagem e texto sucinto, que você diverte e instrui. No Brasil, um país de semi-analfabetos e analfabetos, o quadrinho tem uma importância muito grande, mas é pouco usado.

UHQ: Até porque existe muito preconceito, considerado sub-arte…

Colin: Isso, exatamente! Sub-arte, coisa de criança, de maluco. Já aconteceu de me perguntarem o que faço da vida, e quando digo que desenho quadrinhos, me olharem como se eu fosse um retardado, um débil mental. Mas é o que eu faço, e gosto! Aqui, isso tem uma importância muito grande, porque pode ser usado didaticamente e de várias outras maneiras.

Mas, tirando isso, se deveria mostrar o Brasil para o brasileiro. Existia uma série na TV chamada “Carga Pesada”. Eles eram caminhoneiros que percorriam todo o País. A Rio Gráfica tentou fazer em quadrinhos, mas cancelaram. Uma pena, porque era uma beleza. Mostrava todo o País, seus costumes, comidas, paisagens… O brasileiro não conhece o Brasil e não sabe NADA de Brasil também. Se for atrás de novela de Rede Globo, então, tá roubado…

Mas isso é ideologia, um sonho, uma utopia… Mas, de médico, poeta e louco, todo mundo tem um pouco. Como não sou médico, sou poeta e louco (risos).

Super-herói não dá! Artista brasileiro consegue publicar, com alguns rapazes de talento desenhando pros EUA, mas, muitas vezes, fazem anonimamente. No molde americano, como eles querem. Mas eu acho uma questão de mentalidade. O americano adora isso. É de sua cultura, porque o americano é o super-herói. Para eles, são os donos do mundo, os xerifes do planeta. Dominam tudo e são os mais bonitos, inteligentes e poderosos.

Então, super-herói vem a calhar. Eles se vêem num Super-Homem, Batman, Homem-Aranha, sei lá… Capitão América! Olha só o nome: Capitão América! Mas nós não somos nada disso! Então, é uma forçação de barra. Em compensação, somos mais inteligentes e temos mais noção de ridículo do que eles (risos).

UHQ: Seu estilo lembra mais os traços europeus. Que tipo de quadrinhos você curte? Você acompanha algum tipo de publicação de quadrinhos atualmente?

Colin: Sim, meu estilo é assim porque eu queria fugir do padrão americano. Muitas pessoas já me falaram que eu me daria bem na Europa, mas como não fui…

Eu não leio quadrinhos. Raramente leio algo. De vez em quando, uma tirinha do jornal O Globo, com o Hagar. Eu gosto de quadrinhos quando eles têm um conteúdo. Recebi um álbum do André Toral. Ele é um grande desenhista, com um estilo totalmente diferente do meu. O álbum é muito bom, muito bem documentado, sobre a Guerra do Paraguai. Deu um enfoque muito legal. Isso eu gosto de ler!

Colin e sua esposa

UHQ: Você soube do projeto do jornalista Marcelo de Andrade de adaptar obras de Machado de Assis para quadrinhos?

Colin: Eu já ouvi falar nisso! Aliás, me ligaram outro dia perguntando se eu tinha ficado chateado por não terem me convidado. Eu disse que chateado não, mas lamento não participar, porque eu sempre gostei de fazer temas brasileiros. É coisa nossa! Quando se trata de tema nosso, eu gosto de participar, me sinto gratificado.

UHQ: Quais são seus artistas favoritos nos quadrinhos?

Colin: Eu confesso que dos estrangeiros conheço poucos, e dos brasileiros também, porque não leio tanto assim. Mas conheço alguns rapazes, como o Watson Portela; Klévisson Viana, que está começando, e é muito bom; o velho Shima, companheiro e mestre; Mozart Couto, que agora parece estar se voltando mais para mangá, mas houve uma época que o desenho dele era primoroso, acadêmico. Ah, tem também o Mutarelli.

UHQ: Você chegou a participar de um movimento em prol da nacionalização dos quadrinhos, na década de 70. Como foi isso? Por que não deu resultado?

Colin: Não deu resultado, porque não podíamos competir com a Abril e a Globo. Era uma dificuldade encontrar as revistas. Depois, começou o problema político no Rio Grande, além das dificuldades de patrocínio e distribuição.

UHQ: Em seu trabalho mais recente, Fawcett, da Editora Nona Arte, seu domínio das técnicas de luz e sombras, que sempre foi a sua “marca registrada”, está soberbo! Você está como o vinho? Quanto mais velho melhor? Acha que os anos de experiência se traduzem em mais qualidade na hora de transpor pro papel as idéias de um roteiro?

Colin: Não sei se estou como vinho, mas vou desenhar até onde o meu sentimento, talento e minha mente disserem ‘Faz!’. O dia que eu começar a ficar muito repetitivo, sentir que chegou minha hora, penduro meus pincéis e vou vender pipoca na esquina. Faço meus desenhos da maneira que eu sinto. Às vezes, agrada! Olha, não se faz nada sem alma. Ou coloca a alma, ou não faz.

UHQ: O que você acha da nova geração de desenhistas brasileiros? E da “velha guarda”, quem você não pode deixar de citar?

Colin: Da velha guarda, estão todos meios parados, com exceção do Shimamoto. Ele lançou agora “Volúpia”, que é uma beleza. Dos outros, eu não tenho visto mais nada… pararam ou ficaram ricos, em outras atividades mais lucrativas.

Outros trabalhos de Colin

UHQ: O que acha do fenômeno da segmentação dos quadrinhos, com tiragens menores e vendas em lugares especializados ou livrarias?

Colin: Olha, eu não sei explicar muito bem. Isso é um problema editorial. Eu vejo o seguinte: as bancas começaram a encher, de repente. Isso satura e confunde o leitor. Pouca opção é ruim; e muita, atrapalha. Ninguém tem verba para comprar tudo, e as revistas ficaram umas muito parecidas com as outras. Já em formato de livro, é mais seletivo. Não tem uma tiragem fantástica, mas é regular e possui um público cativo, assim como o europeu faz com Asterix e Tintin.

UHQ: Com essa “transformação” que o mercado nacional está experimentando, quadrinhos nacionais têm aparecido com boa freqüência. Você vê chances de uma retomada da produção brasileira de HQs? O que seria necessário para isso acontecer?

Colin: Eu sempre que escrevo e me correspondo com André Diniz, Sibeck e todos que começaram fazendo fanzines. Dou a maior força e sempre desejo que, um dia, eles consigam furar esse bloqueio dos copyrights, publicando coisas deles. Para a minha satisfação, eles estão fazendo temas nossos. Isso é importante! Torço de coração que consigam comover os editores a abrir as portas para os quadrinhos.

Não sei se estarei vivo até lá, mas… Vivem falando que não existe mercado pra quadrinhos brasileiros. Existe, poxa! Com todo respeito, mas se fizerem HQS nacionais de boa qualidade, vai vender! Agora, é Pokémon, mangá… pegam aquelas coisas tudo prontas, com cobertura da televisão, são distribuídos no mundo inteiro e entram aqui com preço miserável. Aí não dá pra competir.

UHQ: Um recado para quem pretende trabalhar como desenhista de quadrinhos?

Colin: É difícil (risos). Procure sempre aprimorar o traço, porque um verdadeiro artista nunca está pronto. Tem que estar aprendendo sempre, evoluíndo sempre. No dia que achar que está pronto, começa a morrer.

E que usem os temas nacionais!

Há algum tempo recebi um fanzine de Fortaleza. Os desenhos deles eram estilo mangá. Com tanto tema nordestino, e não estou falando necessariamente em cangaceiros. Existem várias outras figuras, até da cidade. O Brasil tem um litoral imenso, e não existe história sobre isso. Faz coisas do nosso povo!

O brasileiro é um contador de “causos”. Pega isso e faz em quandrinhos. Deixa Pokémon pra japonês. Tinha uma revista chamada “Capitão Rapadura”. Aquilo era um barato, eu me deliciava! Tudo bem brasileiro. Mas os editores não vêem isso.

E leiam bastante. Há desenhistas que são bons, mas não têm cultura. Você percebe que falta algo no traço deles. Isso enriquece o trabalho.

UHQ: Obrigado, Colin. Foi uma honra para o Universo HQ entrevistá-lo!

Colin: Eu é que agradeço! Foi um prazer pra mim, e espero não ter dito muita besteira (risos).

Desenho EXCLUSIVO de Flavio Colin para o Universo HQ

• Outros artigos escritos por

.

  • alex sandro cruz

    Flavio Colin é tudo de bão! Parabéns por esta matéria.

  • Elmano Silva

    Grande amigo! Conheci o Flávio quando trabalhei como free-lancer para a Editora Vecchi(RJ). Muitas vezes ele me consultou por telefone sobre detalhes de objetos do meu Nordeste.Uma grande perda para todos nós!