Conan da Glénat chegará ao Brasil em setembro

Por Leonardo Fraga
Data: 5 fevereiro, 2018

Depois de produzir histórias inéditas dos personagens Disney com muito êxito, a editora francesa Glénat quer repetir o sucesso com Conan. As primeiras edições chegarão às livrarias da França a partir de maio (saiba mais aqui).

As graphic novels da Glénat trarão uma nova interpretação do trabalho de Robert E. Howard, criador do bárbaro. O objetivo das equipes criativas é inovar, sem desrespeitar os contos originais do autor, impondo suas próprias visões de um personagem cuja imagem é muitas vezes limitada à de um colosso de músculos.

Cada álbum terá uma história autocontida em duas versões: uma com 64 páginas em preto e branco, no formato 27,5 x 36,8 cm (€ 29,50), e outra com 72 páginas coloridas no formato 24 x 32 cm (€ 14,95), acompanhadas por um making of com ilustrações dos personagens pelos principais autores internacionais e um texto assinado por Patrice Louinet, especialista da obra de Howard.

A coleção deve ter cerca de 15 graphic novels.

Como o Universo HQ noticiou, a Mythos Editora trará este material para o Brasil e está apenas aguardando o fechamento do contrato para iniciar a produção, que deve sair no selo Gold Edition, o mesmo em que foi publicado Elric. A primeira edição está programada para setembro deste ano.

Conan - O Colosso NegroPágina de Conan - O Colosso Negro

De acordo com o editor Júlio Monteiro de Oliveira, a editora estuda a possibilidade de lançar volumes reunindo dois álbuns originais. Se isso acontecer, haverá tiragens com duas capas. “Escolher uma só implicaria em menosprezar uma das equipes criativas, e a Glénat não permitiu isso”, destaca.

A primeira edição poderá trazer O Colosso Negro, com roteiro de Vincent Brugeas e arte de Ronan Toulhoate; e Além do Rio Negro, escrito por Mathieu Gabella e ilustrado por Anthony Jean.

A Rainha da Costa Negra (texto de Jean-David Morvan e desenhos de Pierre Alary) tem um traço mais cartunesco e tememos não agradar aos fãs mais puristas. Esta história deve ser publicada posteriormente”, pondera Júlio. “Pensamos seriamente em fazer volumes individuais, mas como a edição de setembro tem uma arte mais próxima de O Colosso Negro, ainda estamos estudando esta alternativa.”

Conan foi criado em 1932 por Robert E. Howard, e seus contos eram publicados na revista Weird Tales. Mas foi em 1968, com o lançamento de livros de bolso com capas ilustradas por Frank Frazetta, que o cimério realmente chegou ao sucesso. Os contos foram adaptados para quadrinhos dois anos depois e, em seguida, para o cinema e televisão.

Nascido na Ciméria, o imponente guerreiro viaja por terras selvagens, encontra outros povos, enfrenta criaturas malignas, luta contra tiranos e cruza o caminho de belas mulheres.

Conan - A Rainha da Costa NegraPáginas de Conan - A Rainha da Costa Negra

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Guardar dinheiro para isso.

  • Leandro Banner

    Pena que seja a Mythos a trazer isso para o Brasil, tinha muita vontade de adquirir esse material! Os preços serão absurdos! Parei de acompanhar Hellboy por conta dos preços extorsivos q ela pratica!

  • Beto Magnun

    Isso tá lindo demais! Agora só falta alguma editora animar de trazer os álbuns da Disney.

    • Pedro Bouça

      a Abril tem de decidir se publica ou não para que outra possa entrar na jogada…

  • Matheus Vitorino

    “Cada álbum terá uma história autocontida em duas versões: uma com 64 páginas em preto e branco, no formato 27,5 x 36,8 cm (€ 29,50), e outra com 72 páginas coloridas no formato 24 x 32 cm (€ 14,95), acompanhadas por um making of com ilustrações dos personagens pelos principais autores internacionais e um texto assinado por Patrice Louinet, especialista da obra de Howard.’

    Isso esta correto mesmo? A versão em P&B com 64 páginas é mais cara que a versão colorida com 72?

  • James Howllet

    “Traços cartunescos” em Conan?!?!?

    Arre… lá se foi o fã de quadrinhos metido a “alternativo” e democrático dar um faniquito vergonhoso!

    NÃO! Não! Não…e… Não p…!!!

  • Adriano deSouza

    Enquanto isso hqs ORIGINAIS francesas como Thorgal, Le Scorpion, Blueberry, Lanfeust de Troy, entre outras, continuam INÉDITAS POR AQUI e NENHUMA EDITORA SE INTERESSA.

    Eu adoro o Conas, mas já SAIRAM DUAS VERSÕES dessas histórias, uma da Marvel, outra da Dark Hourse. negócio é comprar o LIVRO ORIGINAL do pipoca e nanquim SE ALGUÉM DE FATO ESTÁ INTERESSADO em mais fidelidade a obra de Robert E. Howard.

    Editoras, vamos sair da caixinha??? THORGAL é excelente, TEM VIKINGS, Vikings tão na moda, o que precisa pra vocês acordarem?????

    • Pedro Bouça

      Lanfeust de Troy é publicado pela Jupati com tradução minha.

      • silas.

        Muito boa, aliás.

        • Pedro Bouça

          Obrigado!

  • Rodrigo

    Tá mais bonito que o da Salvat, compra garantida

  • Raphael

    Vamos lá, Verões Felizes tem 64 páginas, Elric tem 124, um pouco abaixo do dobro de páginas, Verões tem 30,8×23 e Elric tem 31,6×23,4, ou seja, Elric é um pouco maior e ainda é capa dura. O primeiro custa 38 reais, com o dobro de páginas custaria 76(eu sei que custaria provavelmente menos, porque a progressão de preço não é linear, é só um exercício) e o segundo custa 84,90 um pouquinho mais caro do que o outro ficaria, mas com um acabamento muito melhor, então fica o questionamento se os preços da Mythos são tão mais caros do que as outras editoras mesmo.

    • Hugo Samsa

      Hoje, “Verões Felizes vol.1 está $21,90 na Amazon. Elric $59,40. dá quase 3 álbuns da Sesi-Sp. mas realmente Elric tem 2 álbuns compilados em um volume, e capa dura. Já “Valerian vol1. ” tem 36 páginas a mais que “Elric” e custa a metade. gosto muito de HQs em capa dura, mas ,na minha opinião, seria melhor sem se isso significasse poder adquirir mais HQs, e com um padrão de qualidade 10 da Sesi-SP.

      • Raphael

        Mas aí no primeiro caso você está comparando o preço com desconto, e no segundo caso, bom, Valerian está com um preço mais barato mesmo comparando com outras hqs da própria Sesi, mas enfim, não estou aqui para defender nenhuma editora, mas também não acho que os caras estão cobrando muito fora da realidade do mercado. E concordo com você com relação a capa dura, prefiro muito mais capa cartonada, tenho Blacksad e a qualidade é excelente, mas infelizmente a proposta dessa linha da Mythos são hqs altamente luxuosas, o que faz o material vim nessa faixa.

  • kriminal diabolik

    Em época de Conan Salvat, isso fica para uma black friday e olhe lá…

  • ninguém

    O principal problema dessa iniciativa de duas versões – a cores ou em preto e branco – de cada graphic novel é como o consumidor poderá comparar o conteúdo das duas ANTES de optar por uma. Se o encadernado vier lacrado em plástico, isso será impossível de ser feito na loja sem que seja preciso abrir, sem compromisso, cada versão do exemplar.