Primeiras vezes

Por Audaci Junior
Data: 22 maio, 2015

Primeiras vezesEditora: Nemo – Edição especial

Autores: Sibylline (roteiro), Alfred, Capucine, Jérôme d’Aviau, Virgine Augustin, Vince, Rica, Olivier Vatine, Cyril Pedrosa, Dominique Bertail e Dave McKean (arte) – Originalmente em Premières fois (Tradução de Fernando Scheibe).

Preço: R$ 39,90

Número de páginas: 112

Data de lançamento: Abril de 2015

Sinopse

Dez primeiras – e diversas – experiências sexuais do ponto de vista feminino e desenhadas por grandes nomes da HQ europeia.

Positivo/Negativo

Existe primeira vez para tudo, inclusive no amplo leque da vida sexual. Essa diversificação é abordada na coletânea escrita por Sibylline que, além de ser francesa – o que carimba definitivamente seu passaporte erótico –, também é uma dominatrix.

Os fetiches e as personagens femininas dominam a obra, ilustrada na sua maioria por estranhos em terras editoriais brasileiras. Em outras palavras, sem perder o “trocadalho do carilho”: também é a primeira vez deles por aqui.

Humor, reflexão, inversão de valores, um pouco de drama, poesia e muita sacanagem recheiam as páginas da HQ, garantindo entretenimento não só para os leitores adultos, mas também para o público feminino, tão marginalizado e estereotipado no gênero.

A história que abre o álbum, Primeira vez, é ilustrada de forma cartunesca por Alfred e conta a ansiedade e insegurança de perder a virgindade, apesar de ter uma revelação previsível no final.

Em Sex-shop, o traço mais carregado no nanquim da quadrinhista Capucine mostra uma garota que aposenta o chuveirinho e assume abertamente suas atividades masturbatórias na sua primeira ida às compras de apetrechos sexuais. E o leitor descobre que Pigalle é o bairro onde concentra um grande número de lojas eróticas em Paris.

O delicado e estilizado traço do Jérôme d’Aviau (que se faz presente na capa também) apresenta os desejos sexuais fora do habitual em Fantasia, na qual tudo se resolve de maneira pouco casual no fim do expediente de um bar.

Com a arte angulosa de Virgine Augustin, 1+1 quebra o gelo entre amigas na primeira experiência lésbica. Aqui, Sibylline demonstra que mulher também pode agir como o sexo oposto no dia seguinte.

A arte menos sofisticada da coletânea, mas com bom sotaque francês, é do quadrinhista Vince, que descortina um ménage à trois em 1+2, tudo com pitadas de voyeurismo.

Numa das melhores histórias de Primeiras Vezes, o lápis mais under de Rica dá voz à inusitada protagonista de Inerte: uma boneca inflável dotada de consciência, que chega a desdenhar das performances sexuais de seu dono.

Abrindo parênteses, o brasileiro Shiko já havia explorado as curvas de uma consciente boneca inflável stripper tanto no álbum Blue Note (2007), quanto em um fanzine dos anos 1990 intitulado Marginal.

A primeira orgia é o tema de Swing, ilustrada por Olivier Vatine, desenhista conhecido no Brasil pela premiada série de ficção científica escrita por Thierry Cailleteau, Aquablue, lançada entre 2004 e 2005 pela Ediouro.

Outro conhecido pelo ótimo álbum Três Sombras (Quadrinhos na Cia.), Cyril Pedrosa empresta sua arte dinâmica a Submissão, na qual o papel de dominador é exercido pelo homem no melhor estilo nelsonrodriguiano de “Nem toda mulher gosta de apanhar… Só as normais”.

Já os nuances de cinza de Dominique Bertail em Sodomia revelam que o verdadeiro amor de um casal vai além do simples coito quando ela usa um strap-on e os encaixes se invertem.

Por fim, o único britânico da turma francesa, Dave McKean, famoso capista de Sandman e outros trabalhos do escritor Neil Gaiman, coloca todo seu experimentalismo gráfico em X-Rated. Unindo desenhos e fotos em uma HQ “muda”, o artista brinca com a libido de um casal em cima do material pornográfico audiovisual.

Com um bonito projeto gráfico, a edição da Nemo tem formato 19,5 x 22,5 cm, capa cartonada com orelhas, papel offset de boa gramatura e impressão.

Primeiras Vezes ainda conta com um prefácio assinado por Emmanuel Pierrat e posfácio da própria Sibylline. Careceu apenas no final do texto de Pierrat alguma indicação de quem ele é. No caso, um escritor, ensaísta e editor francês, autor de obras eróticas inéditas no Brasil, a exemplo de Paris, Ville Érotique.

Houve outra “escorregada” no texto da quarta capa, no qual é mencionado que o álbum reúne os grandes nomes da HQ francesa, incluindo o britânico Dave McKean. Mas isso não tira o prazer de ler uma coletânea de histórias curtas como esta, cheia de sacanagem com conteúdo.

Vale ressaltar que a Nemo publicou em 2014, no âmbito erótico, a série Safadas – Verão, Lingerie, Encontros e Natal –, apresentando pela primeira vez importantíssimos nomes consagrados na Europa, como Jean-Pierre Gibrat, que inexplicavelmente nunca teve suas obras lançadas no Brasil.

Classificação

classificacao45

• Outros artigos escritos por

.