Thor – Ragnarok é uma comédia com aventura. E funciona!

Por Guilherme Kroll Domingues
Data: 27 outubro, 2017

Thor – Ragnarok é o melhor filme do Deus do Trovão. Não é difícil se comparado com Thor (2011) e Thor 2 – O Mundo Sombrio (2013), ou mesmo com longas no qual o personagem é um coadjuvante, como Os Vingadores (2012), Os Vingadores – Era de Ultron (2015), que são até legais, mas não são brilhantes, e O Retorno do Incrível Hulk (1988), primeira aparição do personagem em filme trash que continuava a série do Gigante Esmeralda estrelado pelo Lou Ferrigno.

Grande parte disso se deve a uma mudança de direcionamento que a Marvel assumiu para a série, abandonando as abordagens anteriores. Enquanto em Thor a pegada era séria, para apresentar o personagem no típico filme de origem e assinado pelo diretor Kenneth Branagh, mais conhecido por fazer adaptações cinematográficas de obras do Shakespeare e, portanto, na visão do estúdio, familiarizado com a fala empolada dos asgardianos; e Thor 2 – O Mundo Sombrio tentava levar mais pra uma aventura medieval dramática, Thor – Ragnarok é essencialmente uma comédia.

Thor - RagnarokThor - Ragnarok

Há passagens dramáticas, claro, com o personagem sendo forçado a abandonar coisas que lhe são essenciais, como manda uma boa narrativa de jornada do herói, mas a toada é para a galhofa mesmo. Chris Hemsworth manda muito bem com uma pegada mais cômica para o Thor. Além de atuação precisa no texto, em algumas, o ator conseguiu criar uma comédia visual sem ser muito pastelão. Mas, ainda assim, foi hilariante. À primeira vista, lembrando um pouco o Inspetor Clouseau de Peter Sellers.

O elenco de apoio ajuda, e muito. Claro, fica fácil contracenar com gente do calibre de Tom Hiddleston (em mais uma aparição como Loki), Cate Blanchett (a vilã Hela), Idris Elba (de volta como Heimdall), Jeff Goldblum (o renomado ator vem como o vilão Grão-Mestre), Tessa Thompson (Valquíria) e Karl Urban (Executor), Anthony Hopkins (Odin) e Mark Ruffalo (mais uma vez como Bruce Banner/Hulk), além de muitas participações especiais.

Todos muito bem comandados pelo diretor Taika Waititi, oriundo do cinema de comédia, que optou por deixar a maioria dos diálogos improvisados, dada a competência do elenco.

Thor vs. Hulk

O roteiro bebe de muitas fontes, mas essencialmente de duas grandes sagas de Thor. A Saga de Surtur (que aconteceu numa das fases mais brilhantes do personagem, nas mãos de Walt Simonson) e Ragnarok (de Michael Avon Oeming, Daniel Berman e Andrea Divito).

Há outras passagens que lembram outras sagas, como Planeta Hulk (de Greg Pak e Carlo Pagulayan). E existem diversas outras referências aos quadrinhos (e uma menção divertida ao Thor Sapo e outra a Bill Raio Beta). Os leitores mais conhecedores vão se divertir em encontrar a miríade de homenagens escondidas.

Enfim, o resultado é um filme muito legal, não só o que já foi citado, mas porque tudo é feito com muito cuidado: a trilha sonora, o ritmo, as lutas, os efeitos especiais (muita coisa lembra os desenhos de Jack Kirby), a história. Claro, não é nenhuma obra-prima da sétima arte, mas se dá muito bem como um cinemão-pipoca brilhante para quem gosta do gênero.

Thor – Ragnarok
Duração: 130 minutos
Estúdio: Marvel Studios
Direção: Taika Waititi
Roteiro: Eric Pearson, Craig Kyle e Christopher Yost
Elenco: Chris Hemsworth, Tom Hiddleston, Cate Blanchett, Idris Elba, Jeff Goldblum, Tessa Thompson, Karl Urban, Mark Ruffalo, Anthony Hopkins, Benedict Cumberbatch.

• Outros artigos escritos por

.

  • Ragnarock é um dos melhores episódios de Rick and Morty dessa temporada.

  • Eu gostei de Thor II.

    • James Howllet

      Também.

      Poderia ser mil vezes melhor mas… é aquela coisa…”altamente perecível” . Uma Sessão da Tarde de antigamente.

  • James Howllet

    Óia…

    Amigo (ok, se assume como “DCnete”) disse que é a mesma toada de “Superman III” mas com uma produção decente e elenco ótimo (Ok, Richard Pryor a parte).

    Será?!?!

  • Henrique Brum

    não costumo ler critica antes de assistir o filme… mas essa chamada me deu medo. O humor é onde a Marvel tem errado nos últimos filmes…não é problema ter humor, filmes de aventura sempre tiveram alivio cômico. Mas os da marvel simplesmente não tem graça, humor fraco e fora de hora. É pra esperar mais Pacman e Taserface?
    Não entendi bem como ser um filme de comedia pareceu um ponto positivo na critica. É o Ragnarok, oras! O primeiro minuto do trailer com a Hela ao som de Led foi espetacular, pensar que dali parte pra comedia no planeta Hulk não me agrada nem um pouco…

    • Gustavo Henrique Milani Martin

      Exato. Eu irei assistir (não nos cinemas) e talvez até me divirta, mas ver o Ragnarok associado a comédia é bem desanimador.

    • Reginaldo Costa

      O humor é bem ruim e são poucas as piadas que efetivamente funcionam (a maioria envolve o hulk) e a motivação da hela é tão rasa que chega a dar dó. Fora que o roteiro não se encaixa nada no resto dos filmes do próprio personagem. Mas se você quer despertar o menino de 11 anos dentro de vc passa.

      • Rodolfo Gasparetto Manzoli

        Vilão da Marvel com motivo raso e sendo subaproveitado? Quem poderia imaginar?

  • James Howllet

    Antes do gênero se consolidar o tom preferido era o da paródia. “Flash Gordon”, “Superman III e IV” e, mesmo, “Conan, O Destruidor” não me deixam mentir. Segundo uma parte de fãs, a grande diferença é que lá não havia recur$o$ técnicos como os de hoje.

    • Stephan

      Não por acaso, esses filmes foram fracasso de bilheteria. A galhofa só funcionou bem com o Batman dos anos 60, talvez em parte pelo fato de o show ter se inspirado conscientemente nos quadrinhos dos anos 50 e 60 e também devido ao clima psicodélico da época. No entanto, tentar forçar esse clima nas produções atuais resulta, na grande maioria dos casos, em autênticas bombas cinematográficas. Duvido que Jack Kirby aprovaria algo do tipo para o Thor, por exemplo!

  • Israell

    Uma ótima comédia.
    Uma péssima adaptação.

    Fosse antigamente, poderiam traduzir por aqui como Thor, a Comédia do Trovão. Ou Deu a Louca nos Deuses. Não, pera, esse já tem…

    • Reginaldo Costa

      Concordo.

  • Mauro

    Tá aí o que não curto nos filmes da Marvel, a comédia forçada.Todos os filmes são obrigados a serem engraçados. Um dia o público vai cansar disso.

    • FINASTERIDO

      pois é… enquanto isso a DC lança filmes ‘sérios’ que dão sono. Enfim, não se pode agradar a todo mundo.

  • Marcelo Pinheiro de Vasconcell

    Eu assisti o filme e gostei muito. Não achei que é uma comédia. E sou colecionador dos quadrinhos do Thor. Achei muito melhor que os dois primeiros filmes.

    • Charles

      Apoiado

    • brunoalves65

      Apoiado (2)!!!!

  • FINASTERIDO

    Ao contrário do que muitos ‘entendedores’ insistem em contrariar, um filme do tipo BLOCKBUSTER no cinema tem uma única função para seus realizadores: fazer dinheiro. no caso, dado ao custo da produção, MUITO DINHEIRO.

    Esperar fidelidade a este ou àquele conceito hermético usado por um autor de quadrinhos em um determinado tempo é perda de tempo. THOR, pelo visto, ou mudava de rumo ou não tinha continuação. Fazer rir, como se sabe, é por vezes mais difícil do que fazer chorar. Com Ragnarok ou não, se o filme tiver o timming correto e funcionar, ótimo.

    • Reginaldo Costa

      O duro é quando o filme é igual esse ai, que não faz rir quase que hora nenhuma e vc fica sentindo aquela vergoinha alheia….

    • Pessoa

      O que muitos ‘desentendores’ insistem em contrariar é que só BLOCKBUSTER BANAL faz dinheiro. O que os ‘desentendedores’ não compreendem é que existe o cinema pipoca de qualidade. Filmes da Pixar até 2010, O Rei Leão, Matrix 1, De Volta para o Futuro 1, a trilogia Bourne, Divertida Mente, Moana etc são exemplos de que se pode fazer dinheiro mantendo um alto nível de qualidade.
      O humor inteligente que faz rir é várias vezes mais difícil do que fazer chorar (por exemplo, Seinfeld), entretanto rechear um filme de piadas toscas pra disfarçar a banalidade e má qualidade da história é um recurso vulgar frequentemente utilizado, principalmente pela Marvel.

  • FINASTERIDO

    A PEGADA, pelo trailer, tem a ver com Guardioes da Galáxia. E parece mesmo engraçado.

  • Fabio Ferrara

    A Marvel está forçando a barra demais no humor de seus super-heróis. Daqui a pouco os vingadores Thor, Iron Man, Hulk e Capitão América vão virar Didi, Dedé, Mussum e Zacarias…!

    • Rodolfo Gasparetto Manzoli

      Já tem, é a turma dos Guardiões da Galáxia. O Drax não lembra o Sargento Pincel?

  • Essa foto do Thor q o uhq postou aqui tá parecendo foto de jogo de luta 2d. Se eu não soubesse q é foto do filme eu diria até q “os gráficos são mais ou menos”…

  • Depois de terem transformado o filme do Aranha kid em um spin-off dos Vingadores, e ainda daqueles q tem q ficar aparecendo (ou sendo mencionado) os personagens do filme original a todo instante, como se o protagonista do spin-off por si só não se sustentasse, perdi todo meu ânimo com a Marvel… Assistirei sim a Thor 3, mas não nos cinemas ..

  • 0-Drix

    Os filmes da Marvel/Disney estão ajudando a criar uma geração de audiência de cinema que acha que tudo num filme é engraçado e comédia!
    Com exceção de “O Soldado Invernal”, eu me esqueci de absolutamente todos os filmecos da Marvel/Disney! Seja porque as histórias são rasas, seja porque a supervalorização das cenas pós-crédito desvalorizam tudo o que você havia assistido até então!
    E está mais do que na hora do Oscar criar a categoria melhor trailer!

    • Reginaldo Costa

      Não fala assim que a galera do Universo HQ chora… afinal, tem que oxigenar o público…. Mesmo que sejam um monte de retardados que não conseguem ficar 5mim sem rir…

      • Amiguinho, eu só choro quando vejo pessoas intelectualmente desonestas como você. O texto está assinado, logo reflete a análise de seu autor. O Universo HQ é formado por pessoas diferentes, e cada uma tem sua própria opinião.

        • Reginaldo Costa

          Obrigado. Vários artistas e fãs lutam pra criar uma imagem de que super-heróis não são coisa de criança, que dá pra fazer coisas realmente incrivelmente sérias com a mídia e vem um filme como esse e joga tudo por agua abaixo. E a imprensa ainda aplaude. Sabe de uma coisa? Sou desonesto mesmo, porque não abro mão da minha opinião pra estar com a maioria. Pode deixar que continuarei acompanhando o site apesar das constantes gentilezas.

          • Querido, em qual momento a sua opinião sobre o filme foi questionada? Nem entrei nesse mérito. Novamente, você trocou alhos por bugalhos. Ah, a propósito: gentileza gera gentileza.

  • Zé Oliboni

    Sei lá gente, eu vi o filme junto com o Guilherme, concordo com tudo que ele falou, o filme é um espetáculo visual que vale a pena ver no Imax, é muito divertido, tem muita ação, ou seja, é tudo que eu esperava, ir no cinema e me divertir. Fiz uma resenha semelhante aqui, mas a do Guilherme certamente tocou em pontos bem mais interessantes que a minha https://youtu.be/5laRu_zMoF8

  • Criou-se uma expectativa muito grande como se fosse “o filme do ano”, e não é. Por isso muitos não gostaram. Mas o filme é muito bom. Está entre os melhores, não tem nada a ver com deadpool, tem boas piadas sim, mas não faz disso um filme ruim. Elas estão no tom certo. A evolução do Hulk é muito boa e a do thor tambem. Minha unica critica é das pessoas que imaginavam um filmaço, mas é um bom filme que irei ver de novo semana que vem. As cenas de ação são inesquecíveis e a parte visual de encher os olhos. Tem erros sim, (me diga um que não tem) como todos os filmes de herois, mas valeu a pena a experiencia de assistir algo diferente.

  • FINASTERIDO

    Exato, o trailer era bem óbvio.

  • Charles

    Pessoal, é o Thor cinema.
    O filme é divertido. Thor está mais Thor do que nunca nos combates. Finalmente parece ser o Deus do Trovão. A luta com o Hulk ficou ótima. Ela está muito legal.
    E pra quem acha que o filme peca por ser muito galhofa, gente, mesmo a fase de Walt Simonson é cheia de galhofa. Thor sempre teve a parceria dos três guerreiros (patetas) . O Grão-Mestre tiozão-cluber-do-ácido ficou legal, e se parar no conceito original do personagem, é tão “coerente” quanto.

    Os dois primeiros filmes, devido ao seu momento, pecaram por tentar se levar muito a sério, numa época em os filmes de super-herois tinham que se fazer de sérios (por consequencia dos Batmans coloridos). Tinha-se toda uma preocupação em tornar o thor plausível, coerente. O Thor sequer voava. Não tinha o mjonir abridor de portais.

    Diria que Ragnorok corrige um monte desses erros. Até podia ter menos piadas, mas elas estragam menos o filme que a suposta sobriedade dos primeiros.

    Ainda: Alguém pensa mesmo em ser levado a sério indo ver um filme de um deus guerreiro de capa vermelha, elmo com asas, que voa entre planetas com seu martelo, enfrentando alienígenas? Sem contar do Dr. Donald Blake, talvez devessem colocar um médico manco, com cajado mágico, para adicionar camadas de drama psicológico, e os reflexos do cotidiano urbano em contraste com a vida de um antigo deus.

  • Charles

    ;-)

    Cara, o pessoal leva super-heroi e gibi muito a sério. Existem coisas sérias nesse meio, mas a maioria não é. Boa parte, sequer vale o papel em que é impresso, principalmente com o passar dos anos.

    Para quem olha de fora (que desconhece os quadrinhos), a situação é ainda mais bizarra/ridícula, pois veem um bando de pessoas que gostam de algo (pra eles) idiota/infantil, e que levam isso muito a sério. E que, quando veem seus ícones de admiração ganhando notoriedade, ficam bravos, porque tem cabelo/aparência/jeito diferentes, o que é imperdoável.

    Isso faz eu me lembrar de uma confissão que um amigo meu me contou, antigo parceiro de D&D, há uns 15 anos. Ele reclamou frustrado comigo porque as pessoas não compreendiam a profundidade do RPG, que achavam que é um jogo idiota, enquanto nós, que o entendíamos e praticávamos, o levávamos tão a sério.

    O tempo passa, e acabamos vendo as coisas em retrospecto: é só um jogo, e como todo jogo tem função de entreter, não transcender a consciência, intelecto e o espírito. Gibi também é assim, na sua grande maioria. Há ressalvas quanto a um ou outro projeto artístico em que a forma de histórias em quadrinhos se sobressai ante as outras formas de concretização da arte, mas a maior parte delas pode ser feita, de forma até superior, em livros ou cinema.

    Pergunto: você que quer ser levado a sério ou, ao menos, não ser ridicularizado por “não-entendedores” das comics, acredita mesmo que ao levar ao cinema um desses, como por exemplo, uma namorada, ela vá respeitar mais o seu hobbie por ver um filme de um super-heroi como Thor (deus do trovão, martelo mágico, roupas espalhafatosas, mundo moderno, alta tecnologia, alienígenas – lembrando que os aliens estão na história do Thor desde o primeiro gibi) todo sério? Sombrio? Profundo? Ainda será um cara de capa voando com um martelo.

    Existem herois que até permitem uma abordagem mais pé-no-chão e séria, os filmes do Capitão tem conseguindo fazer isso. Mas vamos lembrar que ainda estamos falando de adultos fantasiados com roupas coloridas, que ganham poderes absurdos por acidentes pitorescos, que no mundo real seriam mortais.

    A DC tentou fazer Superman (aquele heroi do colante azul com cueca vermelha por cima) sério, e vejam a coisa que ficou (e olha que até tiraram a cueca). Tem coisas que não tem como “ser levadas a sério”, em que a seriedade só funciona num nicho, onde certas liberdades e concessões são dadas, para que aceitemos aquilo como sério.

    Um exemplo disso é o incrivel jogo de videogame Cave Story. A história desse jogo é sensacional, emocionante e sombria. Ainda assim, NUNCA um filme conseguiria se levar a sério com uma história da ameaça mundial de um cientista louco, com uma coroa mágica ancestral, numa ilha voadora com coelhos antropomórficos que viram armas de destruição em massa quando comem flores vermelhas… sem falar dos robôs e dragões.

    Enfim, relaxem

    • Cassiano Cordeiro Alves

      Cara, você escreveu o melhor comentário que li em sites de hqs e afins nos últimos tempos. Coerente, direto e respeitoso. Parabéns! Eu o saúdo!

  • Cassiano Cordeiro Alves

    Eu assisti ontem e gostei muito. Sem dúvida, o melhor filme do Thor. Está tudo lá: o Ragnarok, os dramas pessoais, tem mortes sim, Hela é uma vilã ameaçadora (Cate dá um show, como sempre). No visual, temos mais do que homenagens ao Rei: é como se estivéssemos dentro de uma história do Kirby, é o traço dele transposto com perfeição para a realidade. Tem piadas e humor? Sem dúvida. Isso estraga o filme e/ou a trama? Depende do gosto de quem assiste. Para mim não estragou nem um pouco. Só se você for MUITO mau-humorado/chato/sério/exigente/implicante para dizer que a história contada perde força em razão do humor. Poderia, sim, ter sido bem diferente, com foco nos dramas, nos lamentos, no choro, nas perdas. Poderia ter sido um “Senhor dos Anéis” da Marvel, sem dúvida. Certamente, há quem chore por isso. Eu não. Estou mais uma vez feliz em ver uma boa história Marvel contada no cinema.