Record perde os direitos de Asterix; nova casa do gaulês será a Panini

Por Sérgio Codespoti
Data: 7 junho, 2019

Desde 2017, os fãs brasileiros de Asterix, criação máxima de René Goscinny (roteiro) e Albert Uderzo (arte), estão frustrados. Diferentemente do que aconteceu com os 36 álbuns anteriores do personagem, Asterix e a Transitálica (Astérix et la Transitalique, no original), escrito por Jean-Yves Ferri e desenhado por Didier Conrad, com supervisão de Uderzo, não ganhou uma versão nacional pela Record.

Isso porque a editora fluminense, que era a casa do irredutível gaulês desde 1983, não possui mais os direitos de publicação da série. Esta informação tem sido transmitida a leitores que entram em contato com o serviço de atendimento ao cliente da Record. Inclusive, em seu site oficial, não há mais qualquer menção a Asterix, Goscinny ou Uderzo.

Mas, no mercado, sabia-se que um material de tamanho apelo popular não ficaria longe das livrarias brasileiras por muito tempo. E que seus direitos de publicação já estavam com outra editora. Só não se sabia qual.

Pelo que o Universo HQ apurou com suas fontes, o destino de Asterix, Obelix, Ideiafix e companhia será a Panini. A multinacional italiana, até o momento, mantém o assunto sob sigilo, mas o anúncio deve acontecer em breve. Inclusive com detalhes sobre como o material voltará ao mercado.

Asterix

A Panini detém no Brasil as licenças dos principais títulos de quadrinhos de MarvelDC e Millarworld, além de dezenas de mangás, Turma da Mônica, Star Wars, The Walking Dead e outros. Apesar de, nos últimos 13 anos, ter publicado alguns materiais europeus, como Eu sou Legião, Face oculta e os inacabados XIII, Blueberry e Aldebaran, esta promete ser a maior empreitada da editora em HQs do Velho Continente.

No Brasil, Asterix também foi publicado pela Bruguera (álbuns 1 a 9), Cedibra (1 a 24), Círculo do Livro (uma edição, em 1970) e RGE (formato de bolso, em 1976). Desde que a Record adquiriu os direitos, somente a Salvat lançou material do personagem: cinco livros de uma coleção, nos moldes das da Marvel, que não passou na fase de testes, em 2014.

A primeira aventura de Asterix, escrita por René Goscinny (falecido em 1977) e desenhada por Albert Uderzo, começou a ser publicada em 29 de outubro de 1959, nas páginas de revista Pilote # 1.

Em outubro de 2019, o personagem ganhará seu 38º álbum, cujo título ainda não foi divulgado. A dupla de criação é a mesma dos três livros anteriores (Asterix entre os Pictos, O Papiro de César e Asterix e a Transitálica): Jean-Yves Ferri, no roteiro, e Didier Conrad, nos desenhos.

Capa de Astérix et la Transitalique

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • 0-Drix

    “Pós Tumatis!” Digo, “Por Tutatis!” Depois de séculos, os romanos vencerão os gauleses! Asterix vai passar a falar errado no Brasil, graças aos erros de edição da Panini.

  • Aster Yupio

    Que pena! Pelo menos na Record o pessoal era alfabetizado e sabia escrever português. Se preparem para erros grosseiros de tradução e revisão, tudo sob a vista grossa dos super poderosos editores, que gostam de parecer celebridades no Youtube mas não conseguem editar uma revista com menos erros que as publicações fundo de quintal das editoras amadoras dos anos 70 e 80. Balões em branco ou trocados também devem vir de brinde.

    • Fabio Negro

      o abismo na tradução entre o Monstro do Pântano da Abril e o do Panini me agrediu muito, nao consegui passar do quarto volume desse relançamento que eu esperei tanto. Na Panini o Alan Moore não é o Alan Moore, exceto quando traduzido pelo, ora ora, odiado Jotapê Martins.

    • Balrog do alpha3

      Disse tudo meu amigo, centralizar vários materiais em uma única editora nunca é bom

  • NaraNarutoLee

    Lá vai meu Asterix ficar mais caro que ouro =/

    • Marcelo Garcia

      Capa dura como em todos os paízes civilizados….POR FAVOR! Meu Transitálica comprei a versão de Portugal, da Asa.

  • Gabriel Vaz

    Capa dura não, por favor Panini!

    • 0-Drix

      Poxa! Uma edição capa dura com 4 histórias, por um preço justo e sem erros de edição, seria bem legal – mas sei que é sonho!

  • Alessander Botti Benevides

    É uma pena que a Record tenha perdido os direitos da franquia. Mas, essa é uma ótima notícia para quem está esperando o último álbum há quase dois anos.

  • Fernando Amaral

    Putz… Gosto tanto da Asterix. Vou procurar edições estrangeiras agora, em inglês ou espanhol. Panini é o fim da picada mesmo.

    • Natanael Floripes

      Compre as da Record. Ainda estão à venda e com preços muito bons.

      • Fernando Amaral

        Algumas edições estão esgotadas. Faltam umas 8 pra mim, e só se encontram em sebos por preços altos. Prefiro comprar edições estrangeiras do que colaborar com a Panini ou Mythos, editoras picaretas.

  • XAVERICO

    Maravilha!

  • Renato França

    Só falta o Tintin

  • ARQUEIRO VESGO

    Panini Brasil monopolizando quadrinhos direto no país.

  • FINASTERIDO

    Agora tá explicado esse atraso. Que ótimo que teremos a PANINI, uma empresa com condições de manter o nível das publicações. Quem não gosta da PANINI não compre Asterix, simples assim.

  • Marcelo Garcia

    E o Lucky Luke que estava na Zarabatana por duas edições? Parou mesmo? Será que a Panini nos salvará O Lucky Luke tambem? Ficamos no aguardo!

  • Fabio Negro

    A péssima política da RECORD de usar um parque gráfico próprio, mas sucateado, nos entregava um Asterix de cores apagadas e traço preto falhado. A qualidade gráfica vai dar um salto espetacular. Mas a baixa cultura dos tradutores da PANINI tem nos entregado textos “aguados” em relação à grandeza dos escritores originais de qualquer outro país. Se a Panini comprasse tb as traduções da Record e apenas fizesse uma leve revisão: seria maravilhoso para os fãs.

    • Aster Yupio

      Bastaria usar a tradução da Record e as de Portugal como referência, dessa forma escapando dos erros mais grosseiros. Mas por algum motivo, talvez baixa remuneração dos tradutores, não fazem nem o básico.

    • Bruno Zolotar

      O Asterix da Record não era rodado na Record. O parque gráfico não roda 4 cores.

  • FINASTERIDO

    ÓTIMO saber que a qualidade não sofrerá alterações. A PANINI é a melhor opção para continuar o excelente trabalho da RECORD. A despeito dos que insistem em criticar a PANINI (mas continuam comprando sua publicações), esta é mais uma demonstração de força editorial. Finalmente teremos em bree a nova aventura do baixinho bigodudo.

  • Robot

    Certeza que a Panini vai lançar a versão dela em capa dura pra diferir da Record. Só torço pra que ao menos eles compilem umas 3 ou 4 edições por volume, porque se encarar os títulos da Panini com o atual nível de tradução e edição, já tá sendo difícil, o que dirá isso multiplicado por quase 40 capa dura com aquele precinho afiado. Ai é que o negócio fica impossível mesmo…

  • Natanael Floripes

    Eta povo que gosta de reclamar…. preferiam que os álbuns novos continuassem a não ser lançados no Brasil.

    • Aster Yupio

      Preferiria que fossem para a Cia das Letras, por exemplo

      • Natanael Floripes

        Mas, como a Cia das Letras aparentemente não teve interesse no material, acho que é de se comemorar que a Panini tenha querido lançar.

    • Fabio Negro

      Já que você mencionou: não tenho nenhum apreço pelos Asterix feitos sem a mão dos criadores originais. É um quadrinho onde a autoralidade faz parte da fórmula.

  • Natanael Floripes

    A Panini tem milhares de edições sem erros. Saíram edições com problemas, sim, mas não dá para ignorar inúmeros anos com edições sem problemas. Não ando tolerando muito histórias de super-heróis, mas compro diversos mangás da Panini todos os meses e não tenho queixas.

    • Aster Yupio

      Tem lido o original em japonês para comparar?

  • Heberton Arduini

    Pra mim não muda nada já que os albuns novos não são lá essas coisas e de qualquer forma só tem 1 sem sair por aqui. Acredito que quem realmente gosta já tem as ediçōes que desde que me conheço por gente se encontra em qualquer livraria.

  • Gustavo Nascimento

    Só espero não custar os olhos da cara

  • Natanael Floripes

    A Record foi (ou é, já que ela não faliu) uma grande editora de livros, mas não acho que seja possível dizer que ela deu uma contribuição especial para os quadrinhos. Quadrinhos nunca foi um setor lá muito importante pra ela, me parece. Lembro deles terem lançado Asterix, Mad e alguns títulos da Bonelli, durante um período não muito longo. Estou enganado? Tem mais coisas?