Confins do Universo 072 – Os 90 anos de Tintim

Por Samir Naliato
Data: 27 março, 2019

Tintim, um dos personagens mais famosos dos quadrinhos de todos os tempos, completou 90 anos.

Criado pelo belga Hergé (nome real Georges Prosper Remi), fez sua primeira aparição em 10 de janeiro de 1929, no suplemento infantil Le Petit Vingtième, do jornal Le Vingtième. Desde o início, sua popularidade foi imensa e logo se tornou um ícone cultural na Europa.

Além das tiras em quadrinhos, Tintim teve filmes, animações, centenas de livros teóricos, moedas comemorativas, selos, coleções dos mais diversos temas, estátuas e é presença costumeira em museus, tendo inclusive um temático dedicado a ele.

Neste episódio, falamos sobre toda essa trajetória, detalhes de seu criador, as polêmicas, curiosidades, o conturbado momento da Segunda Guerra Mundial quando a Bélgica foi invadida pelos Nazistas e muito mais!

Confins do Universo 072 – Os 90 anos de Tintim

.

Participantes

_____________________________________________________________

Confins do Universo recomenda

_____________________________________________________________

Comentado neste programa

_____________________________________________________________

Contato

Envie a sua mensagem com sugestões, elogios ou críticas: podcast@universohq.com
Mensagem de voz via Whatsapp para (11) 94583-5989
Redes sociais: Twitter – Facebook – InstagramGoogle+Youtube

_____________________________________________________________

Assine o Confins do Universo

Feed RSS – http://podcast.universohq.com/feed/
iTunes Store
Spotify

_____________________________________________________________

Confins do Universo em vídeo

Canal do Universo HQ no YouTube

_____________________________________________________________

Edição e Sonorização

O Confins do Universo é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

_____________________________________________________________

Narração de abertura e encerramento

Guilherme Briggs – Twitter – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Logotipo

Damasio Neto – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Ilustração do Confins do Universo

Daniel Brandão (versão 1) – Twitter – Facebook – Site Oficial
Vitor Cafaggi (versão 2) – Twitter – Facebook – Instagram

Confins do Universo, por Vitor Cafaggi

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Sim, a Bruguera brasileira era uma sucursal da espanhola, logo depois, ela mudou o nome para Cedibra, falando dos direitos autorais, o artigo 13 foi aprovado pela União Europeia e isso pode dar mais poder aos detentores dos direitos autorais. O Pedro Luna chegou a comentar de algumas vezes que a Moulinsart entrou com processo.

    https://www.jb.com.br/index.php?id=/acervo/materia.php&cd_matia=523015&dinamico=1&preview=1

    Além do Tintin-Lutin, teve um outro personagem com esse nome, Justin Blanchard ou Tintin, o pequeno parisiense, de uma série literária de Marcel Priollet, que estreou em Les Voyages Aeriens d’un Petit Parisien a Travers le Monde de Marcel Priollet, publicado em 1911, uma de suas aventuras Aventuriers du Ciel (1935), foi adaptada em quadrinhos em 1955 por René Giffey para a revista L’Intrepide.

  • stefanobahia

    Algo que me surpreende… a Bélgica… país pequeno em extensão e população é a Meca da HQ europeia.

  • stefanobahia

    https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/10/24/ilustrada/6.html

    Folha – Como a maioria dos belgas, você é fã dos quadrinhos de “Tintin”?
    Van
    Damme – Adoro Tintin. É o meu grande herói. A minha casa é cheia de
    brinquedos baseados no personagem. Me identifico com ele porque sou um
    sonhador.
    Tintin era o tipo do cara que não se prendia à nada. De
    repente, ele tinha que ir ao Peru. Ele pegava sua bagagem, seu cachorro,
    e simplesmente partia. Ao Peru, ao Tibet, etc. Ele tinha um modo
    simples de partir e resolver todos os problemas.
    Quando resolvi ser
    um astro de cinema, pensei como Tintin. Peguei minha mala e simplesmente
    parti, sem complicações, sem saber inglês, sem visto de permanência,
    como num livro de Tintin.
    Você tem que ser louco para fazer o que
    fiz, porque concorri com milhares que já moravam na América, sem
    problemas com passaporte e com um bom inglês. O que aconteceu comigo
    acontece com uma pessoa em um milhão.

  • Pedro Bouça

    Muito bom! Um minúsculo detalhe: Raymond Leblanc não era da Resistência Francesa e sim da Belga!

  • stefanobahia

    Dizem que Hergé se inspirou em León Degrelle pra criar Tintin… Aliás Degrelle trabalhou no “20e Siècle”. Era repórter ! Inclusive ele cobriu a “Guerra Cristera” no México.

    Tem uma obra de Degrelle que lançaram após sua morte…. “Tintin mon copain”.
    Degrelle afirmou que ele serviu de modelo pra o famoso repórter!

    https://archive.org/details/DegrelleLeonTintinMonCopain
    https://youtu.be/l3u-son7eJs

    • Pedro Bouça

      Quem diz isso mais é o próprio Leon Degrelle, que não é uma fonte confiável. Hergé apenas o conheceu após a criação de Tintim.

  • stefanobahia

    Outra polêmica de Hergé são as caricaturas de judeus. A Estrela Misteriosa é um exemplo claro !

  • Nunca me aprofundei nos bastidores da produção de Tintim e na história do Hergé. Mas, além da contextualização histórica, é necessário incluir uma certa ignorância politica/social desse gênio dos quadrinhos… porque BEMMM antes de Tintim muitos escritores e artistas denunciavam e criticavam as barbáries da colonização europeia na África. Não era algo fora de debate na época.

    Também não acho que o Hergé era entusiasta do nazismo, mas com certeza ele flertava com o pensamento conservador de direita. Até mesmo por estar sempre ‘muito próximo’ das publicações que seguiam essa linha editorial.

  • Fernando Mazzi

    Mais uma vez o programa está excelente, Tintim fez e faz parte da minha infância, conheci através dos desenhos animados da cultura.
    Parabéns Sidney (a qual tive a honra de entrevistar) Samir, Marcelo, Sérgio

  • fabiano lima

    O programa foi muito bom, fiquei surpreso com a importância que o personagem tem na Europa e ficou claro as principais polêmicas envolvendo algumas história do personagem. Quando li os dois primeiros álbuns causa uma estranheza de fato as caracterização de alguns personagens em especial Tintim no Congo, agora estou relendo as histórias e chama atenção o personagens em praticamente todas as aventuras se envolver em confusões, estar preso em algum momento e até bêbado, inclusive o Milu. Agora é rever a animação clássica e a participação final do Naranjo foi um regalo.

  • fabiano lima

    Outro comentário rápido: penso que no processo de alfabetização das crianças as escolas infantis podiam utilizar como leitura nas aulas os quadrinhos de Asterix, Tintim, Turma da Mônica e Disney.

  • apokoliptian !

    Forte concorrente a melhor episódio de 2019

  • Vocês acreditam que nunca li nada de Tintim? Mas tenho um grande apreço pelo personagem devido ao desenho animado que eu tanto adorava!
    Ótimo programa e continuem com o bom trabalho! :D