Confins do Universo 083 – E se… no túnel do tempo?

Por Samir Naliato
Data: 7 agosto, 2019

Os super-heróis modernos são personagens com origem e histórias icônicas, conhecidas mundialmente.

Mas e se… eles fossem apresentados de uma maneira diferente, surpreendendo os fãs e subvertendo suas expectativas? Neste episódio do Confins do Universo, falamos sobre as versões alternativas dos super-heróis da Marvel e da DC apresentadas nas linhas O que aconteceria se…? e Túnel do Tempo.

Conversamos sobre conhecidas histórias com finais diferentes, personagens com novas origens, realidades inusitadas, acontecimentos chocantes e outras curiosidades em aventuras limitadas apenas à imaginação dos autores.

Embarque com a gente nesse papo e descubra (ou relembre) que esses heróis tão conhecidos quanto o ontem podem ser tão inéditos como o amanhã.

Confins do Universo 083 – Se se... no túnel do tempo?

.

Participantes

_____________________________________________________________

Comentado neste programa

_____________________________________________________________

Contato

Envie a sua mensagem com sugestões, elogios ou críticas: podcast@universohq.com
Mensagem de voz via Whatsapp para (11) 94583-5989
Redes sociais: Twitter – Facebook – InstagramGoogle+Youtube

_____________________________________________________________

Assine o Confins do Universo

Feed RSS – http://podcast.universohq.com/feed/
iTunes Store
Spotify

_____________________________________________________________

Confins do Universo em vídeo

Canal do Universo HQ no YouTube

_____________________________________________________________

Edição e Sonorização

O Confins do Universo é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

_____________________________________________________________

Narração de abertura e encerramento

Guilherme Briggs – Twitter – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Logotipo

Damasio Neto – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Ilustração do Confins do Universo

Daniel Brandão (versão 1) – Twitter – Facebook – Site Oficial
Vitor Cafaggi (versão 2) – Twitter – Facebook – Instagram

Confins do Universo, por Vitor Cafaggi

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • SrMorpheus SrMorpheus

    Top

  • Marcelo Mainardi

    Haaa… é quarta feira, maravilha! Já devidamente degustado. Putz. Lembro claramente meu deslumbramento quando li Ghotam 1889, lá nos 1990. Não só pela história (justamente como Samir comentou, demorei pra entender o que diabos era aquilo), mas também – e principalmente – por ter sido a primeira vez que pus os olhos na arte do Mignola. Essa é uma daquelas memórias que a gente guarda com carinho.
    Essa “linha temporal” teve uma sequência não citada; “Mestre do Futuro” escrita também pelo Augustyn e ilustrada pelo Eduardo Barreto. Mais ou menos Batman versus Robur o Conquistador.

    • A sequencia foi mencionada sim, inclusive falando da republicação recente da Panini! Obrigado por ouvir o Confins! :)

      • Marcelo Mainardi

        Opa. Falha minha então.
        No afã de ouvir logo o episódio acabo o fazendo no trabalho mesmo. Assim alguma coisa passando batida.
        Abraço a todos.

        • VAM!

          Teve uma terceira também, “Batman/Houdini – A Oficina Do Diabo” com arte toda pintada em aquarela.

          Abs,
          VAM!

        • VAM!

          Ops! Não vi, que já tinha sido comentado.
          Abs,
          VAM!

  • WAGNER TORRES

    Citaram a Guerra de Secessão?

    • Charlles Lucena

      Sim. É citada no podcast.

  • Pedro Bouça

    George Caragonne foi um cara com uma carreira muito fugaz nas HQs. Ele foi editor na Marvel subordinado ao Jim Shooter. Nos anos 1990, ele usou seus contatos na comunidade italodescendente de Nova York para convencer o Bob Guccione, dono da Penthouse, a publicar a revista Penthouse Comix. Ele editou a primeira meia dúzia de edições ou coisa assim. As edições que ele editou saíram todas no Brasil – e eram MUITO boas! Só que ele parece ter estourado todos os orçamentos no processo (boa parte do dinheiro indo para cocaína…). Quando a Penthouse descobriu isso, ele foi afastado enquanto se fazia uma auditoria. Poucos dias depois ele pulou do 45º andar do Marriott Hotel em Times Square. Tinha menos de 30 anos de idade!

    O What If #16, do Mestre do Kung-Fu, foi recentemente republicado em um Omnibus do personagem nos EUA.

    • James Howllet

      Que história incrível!!!

    • VAM!

      Eita! Essa história é melhor do que qualquer What If…?
      Abs,
      VAM!

    • Natanael Floripes

      George Caragonne não só editou, mas escreveu quase todas as histórias da Penthouse Men’s Adventure Comix (muitas em dupla com Tom Thorton).

      • Pedro Bouça

        Verdade! Escreveu ou co-escreveu a maioria.

  • Marcelo Mainardi

    Codespoti comentou sobre essa edição.
    Belíssima arte.

  • Alessandro Souza

    Huuuuuuu…. Naranjo não tá com nada. O melhor “O que aconteceria se…” foi o do Conan nos dias atuais. Foi o demais o Cimério escorraçando os “saqueadores” da casa da “mulher que estava sob sua proteção”. A sequência do fusca é demais.

    • Pedro Bouça

      Conan, o Cafetão! ;-)

      • Alessandro Souza

        Clássico: “Dá pra me emprestar uns trocados, cara?”

  • Respondendo um crossover que sempre sonhei, foi um “o que aconteceria se Dylan Dog, Hellboy e Constantine investigassem o mesmo caso?”

    • Pedro Bouça

      Entre os crossovers planejados da Bonelli com a DC há um do Dylan Dog com o Constantine! Sem o Hellboy, infelizmente.

      • Que massa! E isso vai rolar quando?

        • Pedro Bouça

          Ainda não sabemos. Repare que uma edição típica da Bonelli tem 100 páginas ou mais, então o tempo de produção é longo!

  • Brontops

    Lembrei de 2 da DC que não ouvi: uma versão Mogli do Superman (que era bem desenhada… Era Gil Kane ou Mignola) e o Batman Berlin, do Paul Pope, como um Batman vivendo na Alemanha nazista pré Segunda Guerra.

    Essas versões do Elseworlds também tiveram seus toys, não? Lembro de ter visto um Batman Ninja numa loja em Moema… me arrependi de não ter levado.

    O que mais adoro no Elseworlds é a mudança de cenário.

    *

    Das hqs da Marvel, vcs têm razão. Poucas histórias eram especiais. …Lembro das identidades alternativas do Nova que saiu no Almanaque Premiere, que tinham um tom mais pesado que as aventuras estilo Peter Parker que saíam na época.
    O meu Conan no século XX também foi surrupiado por um parente. Acho que deve haver alguma maldição nessa edição.

    * * *
    Vocês podiam falar de uma versão anarquista do Tintin… mas não sei se é exatamente um universo paralelo. http://www.tujaviu.com/2012/04/construindo-liberdade-parodia-rebelde.html

    aliás poderia ser um tema, as versões não-oficiais / piratas de hqs… como essa versão meio punk do Tintin ou o Mickey Pirata Aéreo… ou o Batman do Laerte com o Segredo do Morcego!!! rsrs

    Bom podcast, abs

    • Pedro Bouça

      Esse Supermogli tinha capa do Mignola. Mignola fez a maioria das capas do “evento Elseworlds” nos Annuals da DC! Mas não lembro quem desenhou, o GIl Kane desenhou o Mogli para a Marvel.

      Esse Tintim não é uma HQ e sim um romance.

      • Brontops

        Você está certo. Acho que fiz confusão. Achei no wikipedia, o desenhista foi um tal de Frank Fosco. https://en.wikipedia.org/wiki/Superman:_The_Feral_Man_of_Steel

        Quanto ao Tintim, eu não tenho o livro. Mas deve ser um romance ilustrado, então, pois vi algumas páginas de quadrinhos pela internet.

        Abs

  • Brontops

    Outra hq que não lembro ter sido mencionada foi a Batman Pulp Fiction (apesar do herói principal ser o Robin,né?).

    https://www.planocritico.com/critica-batman-pulp-fiction/
    https://en.wikipedia.org/wiki/Batman:_Thrillkiller

  • Natanael Floripes

    Terminei de ouvir hoje. Ao ouvir a primeira metade do episódio (a parte que fala de What If) fiquei com medo de que o ouvinte ficasse com a impressão de que a Marvel criou a idéia com “What If” e a DC só copiou com Elseworlds….

    Felizmente, ainda que rapidamente, o Samir mencionou que há muitos anos a DC já fazia o que ela chamava “histórias imaginárias“…. Li muitas nas antigas revistas do Super-Homem publicadas pela Ebal nos anos 60 e mesmo republicações nos anos 70. Material clássico da era de prata, em que o Super-Homem era editado por Mort Weisinger. Esse material é bem desprezado hoje em dia, mas tem muita coisa legal.

    A DC publicou 2 coletâneas dessas velhas histórias imaginária – DC Greatest Imaginary Stories volumes 1 e 2:

    https://www.dccomics.com/graphic-novels/dcs-greatest-imaginary-stories-2005/dcs-greatest-imaginary-stories

    https://www.dccomics.com/graphic-novels/dcs-greatest-imaginary-stories-2005/dcs-greatest-imaginary-stories-vol-2-batman-and

    A Amazon brasileira tem o 2º volume em estoque.

    Uma história interessante, que acho que foi mencionado num Confins anterior é que a última “história imaginária” oficial é a excelente “O Que Aconteceu com o Homem de Amanhã?”, escrita pelo Alan Moore.

    Em mais uma das múltiplas homenagens aos grandes cânones do Super-Homem das eras dos editores Mort Weisinger (Era de Prata) e Julius Schwartz (Era de Bronze), o Alan Moore coloca no final um texto como “Esta é uma história imaginária… mas não são todas?”

  • Zé Barreto

    :)

  • Willian Spengler

    Salve, salve!

    A capa do What If? #9 (vol 2), que foi publicada aqui como capa da SuperAventuras Marvel #99 “”O Que Aconteceria Se… Os Novos X-Men Tivessem Morrido em Sua 1ª Missão?” é bem impactante, com o Professor X se culpando pela morte da equipe ao enfrentar Krakoa, defronte à “lápide coletiva”, acompanhado pelo Fera.

    Aqui a capa gringa: https://marvel.fandom.com/w

    Aqui, a capa da SAM#99: http://www.guiadosquadrinho

    Após a morte dos “Novos X-Men”, para desbaratar as ações do Conde Nefária, Fera utiliza o “Cérebro” e monta uma novíssima equipe, composta por Banshee (Siryn, filha de Sean Cassidy, o Banshee original), Pássaro Trovejante (James Proudstar, irmão de John Proudstar, o Pássaro Trovejante original), Lupina (ainda garota), Feiticeira Escarlate, Mercúrio, Namorita e o próprio Hank McCoy.

  • Eu li quando era criança a Grandes Heróis Marvel que tem o Thor com ‘sotaque nordestino’ e me diverti horrores. Eu e meus irmãos lemos mais aquele final com ideias humorísticas do que a história principal (que é ótima também). Com certeza, se tivesse saído como a Salvat lançou, eu nem teria dado bola.

    Esse tipo de adaptação, obviamente, é bem questionável – para dizer o mínimo. Mas pra época e para o público alvo (crianças) funcionou bem!