Confins do Universo 100 – Quadrinhos (muito) 100 noção! Ou ruins de doer, mesmo!

Por Samir Naliato
Data: 1 abril, 2020

E chegamos ao centésimo episódio!

Em 21 de agosto de 2015, o Universo HQ lançou o podcast Confins do Universo e, desde então, falamos de vários assuntos: quadrinhos, tiras, clássicos, autores, censura, filmes, mercado editorial e muito mais!

Debatemos temas sérios, batemos papo sobre amenidades e contamos com o apoio dos ouvintes ao longo de todo esse tempo.

O Confins do Universo chega à importante marca de 100 programas em um momento que o mundo vive tenso, devido a uma pandemia de coronavírus, afetando a vida de todos, direta e indiretamente.

Com tanta preocupação, decidimos fazer um programa leve, alto astral e divertido, para proporcionar momentos de descontração tanto para os ouvintes, quanto para nós mesmos.

Para isso, o que melhor do que relembrar o tosco, o nonsense e o absurdo que autores e editores colocaram nas páginas das revistas em quadrinhos? Chegou a hora de resgatar e rir com ideias sem noção que viraram histórias bizarras!

E ainda: erros de gravação e uma canção especial!

Confins do Universo 100 – Quadrinhos (muito) 100 noção! Ou ruins de doer, mesmo!

.

Participantes

_____________________________________________________________

 Comentado neste programa

_____________________________________________________________

Contato

Envie a sua mensagem com sugestões, elogios ou críticas: podcast@universohq.com
Mensagem de voz via Whatsapp para (11) 94583-5989
Redes sociais: Twitter – Facebook – Instagram – Youtube

_____________________________________________________________

Assine o Confins do Universo

Feed RSS – http://podcast.universohq.com/feed/
iTunes Store
Spotify

_____________________________________________________________

Confins do Universo em vídeo

Canal do Universo HQ no YouTube

_____________________________________________________________

Edição e Sonorização

O Confins do Universo é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

_____________________________________________________________

Narração de abertura e encerramento

Guilherme Briggs – Twitter – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Logotipo

Damasio Neto – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Ilustração do Confins do Universo

Daniel Brandão (versão 1) – Twitter – Facebook – Site Oficial
Vitor Cafaggi (versão 2) – Twitter – Facebook – Instagram

Confins do Universo, por Vitor Cafaggi

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Felipe Ornaghi

    bom como sempre

  • João Carlos Rocha

    Comecei a ler quadrinhos de super-heróis em 1993. Confesso que muita coisa daquela época, principalmente X-Men e Homem-Aranha, tem um lugar garantido nesse coração aqui. Hehehe…
    Parabéns por mais um eXcelente episódio desse podcast, que é de uma qualidade e conteúdo eXcepcional!

  • Pedro Bouça

    Stragado nunca foi bom, galera. Só engana uns incautos. Pegue qualquer HQ dele e pense cinco minutos a respeito da trama que você verá como ela não se sustenta!

    E ELE É O CULPADO PELO PACTO COM MEFISTO! A briga dele com o Quesada era sobre os detalhes da saga. O Stragado não queria só anular o casamento, mas também TUDO do Aranha desde os anos 1970. Procurem entrevistas sobre o assunto.

    Quem criou o conceito da Galacta foi o Adam Warren que é o rei da estética mangá nos quadrinhos americanos. Versões menina adolescente de TUDO são bastante comuns nos mangás, então ele seguiu essa linha. Não digo que é uma boa ideia (não é!), mas é consistente com a lógica dos mangás.

    O Orbe tem razão de ser, ele é uma homenagem (admitida!) a um dos super-heróis mais famosos dos fanzines americanos, The Eye. Aqui um pouco mais sobre o cara:

    http://www.billschelly.net/comic-books/

    Na verdade, a saga Crise de Identidade do Homem-Aranha não tinha quatro Homens-Aranha, tinha ele assumindo quatro identidades secretas diferentes. Por quê? Ele foi acusado de um crime e se aparecesse como um herói novo, todos deduziriam que ele era o antigo Aranha. Como quatro heróis, ele poderia abandonar uma das identidades se fosse descoberto. A lógica é estranha, mas a história é até bem divertida. Depois, claro, outros quatro personagens assumiram essas identidades (a Marvel não ia julgar os conceitos fora, né?), mas nenhuma delas era “aracnídea”.

    O Wolverine podia quando perdeu as garras ter passado a usar facas, como fazem, só na Marvel, o Drax e o Warpath (irmão do falecido Pássaro Trovejante dos X-Men). Não custava nada, mas os autores eram burros!

    Não vou defender o resto. É tosqueira mesmo! Menos Cavaleiro das Trevas 2, que ninguém entendeu a proposta!

    • Brontops

      Confesso que também gosto do antigo Olho dos anos 70.

      Ele não lembra o herói brasileiro Homem-Lua? rs

      O “Stragado” era divertido na série tosqueira de FC Babylon 5. Até o Neil Gaiman participou. Mas essa ideia de mexer na Gwen foi dolorosa. Eu até admito um chifre – afinal ninguém é de ferro e o Peter devia ficar sumindo toda hora – mas com um velhão tipo Osborn…

      …posso estar fazendo confusão de memória, mas a história do Stragado não fala que Peter era virgem na época da Gwen?? Acho que isso é muito pior do que imaginar o chifre da Gwen… kkkkk

      Abs

      • Pedro Bouça

        Sim, Peter aparentemente era cabação. Coitado do cara!

  • Marquito Maia

    A versão “anjo” do Justiceiro é ruim de doer (mesmo com os desenhos do grande Bernie Wrightson)…

  • Lederly Mendonça

    Pior é que dá vontade de reler tudo isso!!!! =D

  • Rafael Monteiro de Castro

    Excelente paródia, Naranjo! Letra excelente! Já os vocais…. melhores ainda!

    Sidão, Codespoti, sobre as garras do Wolverine: As garras de osso são ruins não só pela ideia em si, mas também por contradizerem décadas de continuidade. Como vocês disseram, em Arma X vemos uma radiografia do Logan e essas garras não existem. O adamantium se acumula em canais sobre o seu antebraço e dorso da mão e é moldado em forma de garras por conta da sua fisiologia mutante. Todos os guias da Marvel sobre os heróis da época diziam que as garras era feitas de adamantium sólido.

    E sobre como ele mexe o punho quando as garras estão retraídas: a explicação oficial é que elas ficam alojadas nos antebraços dele, antes do punho. Portanto, elas não deveriam ser maiores que o tamanho do antebraço dele. Alguns desenhistas respeitavam isso, como o Byrne e o Paul Smith. Mas alguns foram exagerando no tamanho das garras, principalmente nos anos 90.

    Abs!

  • Robson Machado

    Comecei a ler quadrinhos da Marvel e DC nos anos 90. Acompanhei boa parte das bizarrices que vocês citaram. Saga do Clone, Justiceiro anjo, morte do Arqueiro Verde, Wolverine selvagem e sem nariz, etc e tal.

    Até hoje lembro do Logan acordando o Ciclope com uma lambida no rosto.
    Escutando vocês falando eu fico pensando “como posso gostar disso até hoje”.
    Uma dúvida, o Homem-aranha com mais poderes de aranha não foi feito para aproximar os quadrinhos dos primeiros filmes?

    E para encerrar, não falem que as piadas do Naranjo são ruins, um dia ele pode acreditar e o mundo não vai mais contar com essas maravilhas.

  • Dyel Dimmestri

    terei que dizer algo, sob pena de ser sumariamente sacaneado… Eu sou apaixonado pelas HQs da DC da Era de Prata… Elas são ADORAVELMENTE ruins e DELICIOSAMENTE ridículas!
    Essa Galacta parece que foi criada pelos mesmos otakus onanistas que criaram a Bowsette, aquela versão feminina do Bowser, o inimigo dos Mario Bros.!
    Faltou citar outras HQs ridículas, o que dá margem para um segundo volume: o crossover do Superman com… O Coelhinho Quik, mascote do achocolatado Quik (atualmente Nesquik) ; o crossover do Homem – Aranha com as cheerleaders do time de Futebol Americano Dallas Cowboys( não, a Debbie não aparece – entendedores entenderão!)!! Também tem o crossover do Aranha com a trupe de comediantes do programa Saturday Night Live!

  • Pedro Paulo F. Lima

    Ri muito, galera! Pelo que entendi, o propósito foi falar das tosqueiras que saíram no Brasil, pois se forem falar de material inédito tem muita coisa que ficou de fora (tipo Avengers – The Crossing).
    Só uma observação, no caso do Coisa…vocês misturam 2 fases: a do Coisa espinhudo (Englehart & Keith Pollard), com a Sharon Ventura; e a fase dele com a “panela na cabeça”, pra esconder o rosto que foi retalhado pelo Wolverine (essa fase é do Tom DeFalco e do Paul Ryan).
    Fora isso nota 11 (e sim, “O dia em que o céu….” é de longe o pior Asterix de todos os tempos!)!!! No aguardo de mais programas deste tipo.

    Abraços (de longe!)

  • Sobre algumas da bizarrices e conceitos que vocês falaram, gostaria de dar a minha opinião:

    – 2 Supermen Energéticos: Nem achei a ideia em si tão ruim. Achei a trama em si péssima e comprida sem necessidade. Não troco o Super clássico pelos dois energéticos, mas… dava pra ter sido feito alguma coisa melhor, realmente.

    – As 4 identidade substitutas do Aranha: A Saga ”Crise de Identidade” do Aranha foi espetacularmente divertida. Na boa, foi muito bom. :) Além de ter sido uma crítica ou brincadeira com os 4 Supermen que TAMBÉM gostei muito. Não acho que seja bizarro, não.

    – ”Justiceiro Anjo Exterminador” ou ”Justiceiro-Frank-einstein”: Péssimas histórias. Tudo bem que parte de uma coisa que sempre notei e que faria sentido: O Justiceiro seria um hospedeiro perfeito para o Espírito da Vingança do Motoqueiro Fantasma. Coisa que eu pensei nos anos 90 e se tornou ”realidade” com o Motoqueiro Fantasma Cósmico, que é um sucesso. O negócio é que o povo quer porque quer dar superpoderes ao Justiceiro. Para mim, bastava oficializar que, mesmo sem saber, a Morte, tem ele como um de seus agentes no plano terrestre, que manda MUITA gente pro reino dos pés-juntos. Por onta disso, a Morte o protegia a distância, o que explicaria a sua ”sorte”. Dava um ar sobrenatural pro personagem, sem mudar quem ele é.

    – Homem-Aranha e o Pacto do Mephisto foi o maior ataque que a Marvel fez com seu público. Cúmulo da tristeza só de lembrar. Eu me afastei dos quadrinhos do Aranha por anos, por conta disso. E, me desculpem quem gostou desse lance de trocar de corpo com o Dr. Octopus: foi o outro maior desrespeito com o herói. Total desrespeito. Um vilão troca de lugar com ele, se torna um assassino e gangster, se torna milionário, com direito a uma empresa… se tornando ”superior” ao Peter Parker original?! Nossa. Saudades da Saga do Clone nessa hora.

    – Garras de osso foi outra loucura. Concordo com tudo que foi dito:não dá pra defender.

    – Sobre a cura milagrosa do Batman: A desculpa que deram pra não curar a Bárbara Gordon, foi que a Dra que tinha os poderes meta-humanos entrou em coma logo após curar o Bruce Wayne. Que foi mantida sobre os cuidados dele desde então. Mas, NUNCA MAIS tocaram no assunto.

    Poderiam muito bem trocar essa desculpa pelo uso do Santo Graal, que foi mostrado na história ”Batman – O Cálice”. Onde é mostrado que ele seria um descendente dos templários e recebeu a guarda do Cálice propriamente dito e, como em ”Indiana Jones 3”, o usava para curar seus ferimentos. Não é considerado canônico, mas é bem escrito e faria muito mais sentido dentro da ambientação do personagem.

    – A morte e retorno do Arqueiro Verde eu admito que gostei muito. Muito divertido.

    • Brontops

      Confesso que quando ouvi a premissa do Homem Aranha Superior só pude pensar: “Meu Deus, que ridículo!!!”

      Mas… os elogios em meio a polêmica me deixaram intrigado e resolvi dar uma espiada. Gostei mais do que eu esperava. De fato, a premissa é uma buesta, mas foi uma crítica estupenda ao modo de ser de um personagem, afinal adoramos os fracassos e o espírito de sacrifício do Peter, mas convenhamos, deveria chegar uma hora na vida de qualquer um pra se perguntar “O que estou fazendo de errado?”

      Não tem como negar que o Dr Octopus estava certo, “Sendo o gênio que é, COMO que o Peter nunca fez um doutorado?” e etc

      • Sim, sim. Sempre achei terrível o Peter nunca chegar a ser o ”grande herói no futuro” que tanto Cable e os outros viajantes do tempo citavam. O problema maior é que NÃO foi o Peter em si que fez isso. Foi o Octopus! E foi algo que levou mais de um ano, essa saga. E a primeira coisa que o Peter consegue fazer, ao retornar ao corpo dele, é ”herdar” uma empresa da qual ele não merecia ter e a PERDE em pouco tempo. Isso foi o fim.

        Respeito quem gosta da fase, mas… não tenho como respeitar essa era mais recente do Aranha. Desde o fim do casamento dele, me afastei um bocado da revista e só retornei durante as duas sagas do ”Aranha-verso”. Quando oficializarem o universo da Spider-girl como oficial ou retornarem o casamento do Peter e da Mary é que retornarei ao hábito de verdade. :(

  • Fernando Amaral

    Parabéns à equipe pela marca alcançada! Rumo ao podcast 1000… E além!

  • fabiano lima

    Em primeiro lugar parabéns por alcançar a marca centenária comentando sobre a nossa amada nova Arte. Este era um tema muito esperado por mim Piores Sagas nos quadrinhos e esperando Confins sobre a Saga do Clone e sobre outros temas espero que façam algum programa sobre os artista García Lopes, George Pérez, Mignola e seu Hellboy. Obrigado pelo trabalho até aqui e sobre o fim do episódio o número musical do Naranjo remete a antiga propaganda de cartões de crédito Master Card, certas coisas não tem preço.

  • Robot

    Parabéns pelo centésimo Confins do Universo!!! Não dava pra ter acertado mais na escolha de um tema pra celebrar essa marca, galera, passei mal de tanto rir aqui, kkk.

  • Márcio dos Santos

    Sou um herege, odeio a fase do Walter Simonson no Thor. O Thor-Sapo foi a coisa mais ridícula que já vi nos gibis e acho isso deste os meus treze anos quando li pela primeira vez essa história na Superaventuras Marvel. Nem vou mencionar o visual de cara de cavalo bizarro do Bill Raio Beta que ele criou e fez a Sif se apaixonar por esse personagem (é zoofilia que se fala, né?!).
    Uma coisa bizarra que estou achando atualmente é a Mulher-Hulk. Pra quem viu a personagem nas mãos do John Byrne um dia e vê o que os roteiristas e desenhistas estão fazendo hoje com ela, pqp.

    • Pedro Bouça

      A fase da Mulher-Hulk do Dan Slott era legal.

  • Murphy do Sealab

    Gente, essa fase do Wolverine animalesco não veio logo após Atrações Fatais. Ele vira esse animal ridículo depois que o Gênese (filho do Cable) tenta recolocar o adamantium no corpo do Wolverine e a experiência dá errado (o adamantium foi retirarado dos braços do Cyber).
    Abraços!

  • brunoalves65

    Dizer que foi mais um episódio excelente é chover no molhado, mas vou dizer assim mesmo: QUE EPISÓDIO EXCELENTE!!!! Parabéns Sidão, Naranjo, Samir e Sérgio pelos cem programas! Só perdi um até agora (porque ainda não assisti Coringa) mas digo que é muito difícil escolher qual episódio foi melhor, porque cada um tem sua qualidade e particularidade. Parabéns e que venham mais cem episódios! E a cereja do bolo foi a música do Naranjo ao final! JESUS DE BICICLETA!!!! Horrível! Faz mais, Naranjo!!!! Abraços!!

    • Sidney Gusman

      Feliz que gostou, Bruno!

  • Sidney Gusman

    Que nada!

    • Robson Firmino Cavalcante

      1 hora e 41 kkkkk… uma bela coincidência hehehe

  • Sidney Gusman

    Gosto!

    Abraço

  • Iramir Alves Araujo

    Ideia excelente. Olha, isso vai ser bem difícil, heim?

  • Iramir Alves Araujo

    Eu também gostava de “As aventuras de Diana” e achava os desenhos sensacionais. Ainda tenho exemplares dessa fase, da Ebal.

  • Paulo Torres

    Meu momento ruim de doer da história dos quadrinhos Disney: quando foi revelado o rosto do Mancha Negra! (E o pior: daí em diante, o Mancha passou a ser retratado mais com seu rosto “humano” do que em seu visual clássico – que podia variar entre o sinistro e o cômico, como sempre foi o padrão dos vilões Disney.)

  • Vartoco

    Pessoal do Confins, qual é o nome da música de abertura?

  • Parabéns pelos 100 episódios desse podcast maravilhoso.
    Muito obrigado!!!